Romney usa seu primeiro discurso como candidato para atacar Obama

Ainda sob desconfiança de muitos em seu próprio partido, o empresário mórmon e ex-governador Mitt Romney aceitou ontem, oficialmente, a candidatura republicana à Casa Branca. Apresentado pelo diretor de cinema Clint Eastwood e pelo senador Marco Rubio, ele expôs ao eleitor uma face mais "humana" e usou seu primeiro discurso como candidato para criticar o presidente Barack Obama.

DENISE CHRISPIM MARIN , ENVIADA ESPECIAL / TAMPA, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h04

"Aceito a nomeação do partido", disse Romney, bastante emocionado. Em tom otimista, ele declarou ter chegado a hora de "restaurar os EUA". "Muitos americanos desistiram do presidente, mas nunca pensaram em desistir de si mesmos", disse. "O que nosso país precisa hoje não é complicado. O que a América precisa é emprego. Muitos empregos."

Romney insistiu que, "ao contrario de Obama", já tem um plano de cinco passos para criar 12 milhões de novos postos de trabalho. Os passos seriam: promover a independência energética do país ate 2020, capacitar a mão de obra; concluir acordos comerciais; cortar o déficit publico e estimular pequenas empresas. Ele não detalhou, porém, como daria cada um desses passos nem como obteria apoio do Congresso.

"O presidente Obama prometeu reduzir o avanço dos oceanos e salvar o planeta. A minha promessa é salvar você e sua família", disse Romney. "Se eu for eleito, trabalharei com todas as minhas forças para restaurar a América."

Apesar do clima festivo, a preocupação maior da cúpula do partido é evitar a associação de Romney a uma caricatura. Segundo seu principal conselheiro da campanha, Russ Schriefer, cada tópico da cerimônia foi calculado para mostrar ao eleitor que a experiência de Romney em diferentes esferas fez dele "o único" americano qualificado para enfrentar os desafios do país nos próximos anos.

O discurso de ontem foi escrito pelo comitê de campanha, com passagens incluídas pelo próprio Romney. Parte da emoção e da carga dramática exibida na convenção foi estimulada pelos vídeos sobre a vida de Romney expostos nos dias anteriores e pelo discurso da nova favorita das donas de casa republicanas, Ann Romney.

"Mitt não gosta de falar sobre como ele ajuda as pessoas, porque ele vê isso como um privilégio, não como um tema de interesse político", disse Ann.

Religiosos mórmons foram trazidos ao palco, pela primeira vez em uma convenção republicana, para rememorar os desafios do candidato. A intenção foi corrigir o perfil exaustivamente apresentado por sua campanha, o de empresário de sucesso, que deu margem para os ataques de Obama.

Apoio. O discurso de Romney foi precedido ontem por dois apoios essenciais a sua candidatura: o do ex-governador Jeb Bush, filho e irmão de ex-presidentes ausentes na convenção, e o do próprio Rubio, principal aliado para conquistar o eleitor de origem latina da Flórida. "Nosso problema com Obama não é o fato de ele ser uma pessoa má. É o fato de ele ser um péssimo presidente", disse Rubio, em um dos momento mais aplaudidos da noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.