Ronald Biggs chega à Inglaterra

O ladrão inglês Ronald Biggs, de 71 anos, retornou hoje à Inglaterra - e, possivelmente, à prisão -, depois de ter passado quase quatro décadas como fugitivo. O avião fretado pelo tablóide inglês The Sun, que teria pago a ele mais de US$ 500 mil - saiu do Brasil ontem à noite e aterrissou na base de Northolt, em Londres, por volta das 8h30 (5h30, horário de Brasília).Dezenas de policiais estavam no aeroporto para recepcionar o ilustre bandido, que ficou famoso por ter participado em 1963 do assalto ao trem postal Glasgow-Londres. Espera-se que a polícia britânica prenda-o assim que ele desembarcar. O estado de saúde de Biggs é frágil e ele deve ser levado a um hospital. Nem todos, entretanto, acreditam que o criminoso será preso. Ann Widdecombe, porta-voz do partido Conservador, da oposição, pediu uma "dura" recepção e quer que Biggs passe o resto de sua vida na prisão. Amigos do bandido, porém, defendem que ele deva ser tratado com complacência, em função de seu estado de saúde. As razões de Biggs para retornar à Inglaterra são um mistério. Depois de viver por 31 anos no Brasil, poucos acreditavam no retorno do criminoso. Acordo - Biggs seguiu em um avião fretado pelo tablóide inglês The Sun, que teria pago a ele mais de US$ 500 mil - conforme informações do advogado do assaltante, Wellington Mousinho - para ter exclusividade de entrevistas e o direito de acompanhá-lo até a Inglaterra. O inglês, que usava chapéu panamá e uma camiseta vermelha com o nome do jornal, viajou acompanhado de dez pessoas, incluindo o filho, Mike, seu comparsa no "assalto do século" Bruce Reynolds, o médico particular, Ricardo Rocha, e jornalistas do Sun. Atendendo a solicitações das autoridades policiais brasileiras, Biggs prestou um termo de declaração antes de deixar o País. No documento assinado por ele, o assaltante garantiu estar saindo espontaneamente do País e não ter sofrido nenhuma pressão para ir embora. Ele informou também ter consciência de que está indo para a Inglaterra e de que será preso ao chegar lá. Biggs já sofreu três derrames e, por isso, está impossibilitado de falar. O depoimento acabou sendo prestado por Mike. Indagado se gostaria de acrescentar algo, Biggs agradeceu ao governo e ao povo brasileiro pela "hospitalidade e carinho" que afirmou sempre ter recebido enquanto esteve no País.Por US$ 500 mil, Biggs retorna à Inglaterra

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.