Roosevelt é exemplo para eleito

Na noite da eleição de 8 de novembro de 1932, Herbert Hoover, na companhia de amigos em sua casa no campus da Universidade de Stanford, acompanhava as apurações que traziam um veredicto sobre uma presidência iniciada com tanta esperança em março de 1929. A campanha havia sido brutal. Detroit tivera de mobilizar a polícia para proteger o presidente da fúria de trabalhadores desempregados do setor automotivo entoando "Enforquem Hoover!" "Tenho viajado com presidentes desde a época de Theodore Roosevelt e nunca vi um deles ser vaiado por homens que lotaram as ruas para hostilizá-lo", disse um agente.As apurações na noite da eleição superaram os piores temores de Hoover. O presidente levou a maior surra de todos os tempos na história do Partido Republicano e seu adversário, Franklin D. Roosevelt, tornou-se o primeiro democrata a entrar na Casa Branca com a maioria do voto popular desde Franklin Pierce, 80 anos antes.Duas características tornaram essa derrota particularmente amarga. Uma foi que Hoover sabia que o resultado foi mais uma rejeição ao presidente do que uma expressão de aprovação do desafiante. A outra foi que, apesar de ser um pária, ele deveria servir por mais quatro meses - até 4 de março de 1933. A 20ª Emenda, mudando a posse para janeiro, só entraria em vigor em 1937. Ele estava fadado a ser o último presidente "lame-duck" (sem poder no fim de mandato) da velha ordem.Hoover resolveu aproveitar esse período para salvar sua presidência. Mal os votos foram contados, Hoover convidou o governador Roosevelt para conversar com ele. A abertura deu toda a aparência de uma oferta excepcionalmente generosa para compartilhar o poder com o homem que o havia vencido. Mas, na verdade, era o primeiro passo de um esquema para desfazer os resultados da eleição. Hoover agiu, como escreveu posteriormente o historiador Frank Freidel, "como se sentisse que era seu dever salvar a nação, aliás o mundo, da loucura dos eleitores americanos".Em 22 de novembro, Hoover recebeu Roosevelt na Casa Branca. Durante toda a reunião, Hoover tratou seu sucessor como se ele fosse um garoto estúpido que precisasse exercitar verbos intransitivos. Ele tentou forçar o presidente eleito a endossar as políticas interna e externa de seu governo.Ciente das intenções de Hoover, Roosevelt sorriu, fez que sim, mas não fez nenhum acordo. Um Hoover frustrado mais tarde prometeu: "Eu ainda não acabei com Roosevelt." Hoover voltou ao ataque em fevereiro. Ele enviou ao presidente eleito uma carta intimidatória de dez páginas na qual errava a grafia do nome Roosevelt.Por causa da fuga de ouro e da corrida aos bancos, Hoover escreveu que havia "uma firme degradação da confiança no futuro". Suas políticas sábias, ele afirmou, haviam trazido uma recuperação no verão de 1932. Mas, desde então, disse ele, houve um acentuado declínio, pois o país ficara inseguro com a eleição de Roosevelt, temendo que o novo presidente embarcasse em experiências radicais. Hoover concluiu pedindo para Roosevelt restaurar a confiança declarando publicamente que não haveria "nenhuma interferência" na moeda e "o orçamento seria inquestionavelmente equilibrado, mesmo que fosse preciso aumentar a tributação".Três dias depois de escrever essa carta, Hoover disse a um senador arquiconservador que "se essas declarações forem feitas pelo presidente eleito, ele terá ratificado todo o principal programa do governo republicano, isto é, o abandono de 90% do chamado New Deal". Para outro senador, Hoover deixou claro que pedira a seu sucessor que renunciasse à ajuda aos donos de imóveis residenciais sobrecarregados pelas hipotecas, aos projetos de obras públicas e ao programa de desenvolvimento econômico do Tennessee, particularmente afetado pela depressão. Ele também queria que Roosevelt erguesse barreiras tarifárias e impusesse um imposto nacional sobre as vendas. Roosevelt, que considerara a carta "impertinente", deixou passar alguns dias, mentindo que sua resposta havia sido extraviada.Ele não se deixaria ser relacionado com um governo moribundo e impopular, e rejeitou fazer qualquer declaração. Ele não permitiria que Hoover lhe roubasse os louros da vitória. Em 4 de março, Roosevelt anunciou à nação um novo começo.Barack Obama devia considerar a seqüência dos acontecimentos Hoover-Roosevelt em sua caminhada pelos campos minados do período entre agora e 20 de janeiro. Diferentemente de Roosevelt, que ficou quase invisível nos meses antes de sua posse, Obama tomou uma iniciativa na semana passada. Esse curso contribuirá para uma transição suave. Mas o presidente eleito também deveria seguir o exemplo de Roosevelt, evitando uma colaboração com um governo de saída e desacreditado, sob pena de ficar enredado em acordos políticos antes de ser investido no cargo. *William E. Leuchtenburg é autor de uma biografia de Herbert Hoover a ser publicada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.