Rouhani diz que povo deve ser 'completamente livre'

O novo presidente do Irã, Hasan Rouhani, disse que as pessoas deveriam ser livres para pensar, falar e buscar informações na internet, ações que devem ser sujeitas à "proteção de nossa identidade nacional".

Agência Estado

19 de setembro de 2013 | 16h00

Em entrevista à NBC News em Teerã, Rouhani também tratou da preocupação mundial sobre as atividades nucleares de seu país, falou sobre Israel e Síria e a troca de cartas com o presidente Barack Obama desde sua eleição, em junho.

Rouhani falou à emissora de televisão norte-americana dias antes de fazer sua primeira aparição como presidente do país na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Autoridades norte-americanas observarão com cuidado à procura de sinais de que Rouhani vai estreitar as relações com o Ocidente e adotar uma abordagem mais moderada nas próximas negociações sobre o controverso programa nuclear iraniano.

Em trechos da entrevista, divulgados na manhã desta quinta-feira, Rouhani falou de liberdades pessoais. Ele disse que uma "comissão de direitos civis" será estabelecida "num futuro próximo" e que, sob o ponto de vista do governo, questões de censura devem ser baseadas em "nossa moral".

"Nós queremos que as pessoas, em suas vidas privadas, sejam completamente livres. No mundo de hoje, ter acesso a informação, o direito ao diálogo livre e o direito de pensar livremente é direito de todas as pessoas, incluindo o povo do Irã", disse o presidente segundo tradução da NBC.

Ele afirmou que o Irã "nunca buscou uma bomba nuclear e não o faremos. Nós temos dito várias vezes que sob nenhuma circunstância buscaremos qualquer arma de destruição em massa, o que inclui armas nucleares, nem nunca faremos isso."

Rouhani falou sobre uma questão sobre a qual há muitas dúvidas: ele realmente tem o poder de tomar decisões e fazer concessões importantes sobre questões nucleares?

"No programa nuclear, este governo entra com poder total e tem autoridade completa", disse ele. "Temos liberdade política suficiente para resolver esta questão."

Ele afirmou que sua autoridade é genuína e duradoura, embora o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, seja conhecido por controlar todas as questões de Estado, o que inclui as nucleares.

Perguntado sobre as declarações feitas por seu antecessor, Mahmoud Ahmadinejad, questionando o Holocausto, Rouhani disse apenas que "não sou historiador, sou político. O que é importante para nós que é os países e o povo da região se aproximem e sejam capazes de evitar agressões e injustiças." Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IrãRouhaniliberdade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.