RSF diz que viagem de Bush a Pequim é 'punhalada pelas costas'

Para a ONG, a liberdade de expressão não sofreu mudanças significativas nos últimos meses no gigante asiático

EFE

05 de julho de 2008 | 05h41

A ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) afirmou que a presença do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim é uma "punhalada pelas costas nos dissidentes chineses". Em comunicado, a RSF criticou ainda a possibilidade de o presidente francês, Nicolas Sarkozy, também comparecer à festa, marcada para o dia 8 de agosto. "Sarkozy prometeu ouvir seus aliados europeus antes de tomar sua decisão, mas parece que ele não fez isso", ressaltou a ONG. "Bush e Sarkozy renunciam agora a um modo de pressão que talvez teria conseguido a libertação dos jornalistas e defensores dos direitos humanos presos. Gostaríamos de saber em que os dois chefes de Estado se basearam para tomar esta decisão", afirmou. A ONG lembrou ainda que a situação da liberdade de expressão não sofreu mudanças significativas nos últimos meses no gigante asiático. "A liberdade de expressão na China não melhorou nos últimos meses e as detenções continuam ocorrendo no mesmo ritmo de antes", disse. Segundo a RSF, no início de junho a China mantinha atrás das grades "uma centena de jornalistas, 'ciberdissidentes', blogueiros e internautas". "As autoridades de Pequim não estão respeitando as promessas que fizeram em 2001, quando a cidade foi escolhida para organizar os Jogos Olímpicos de 2008, com relação ao respeito dos direitos humanos", concluiu a RSF.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadasPequimaberturaSarkozyBush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.