Ruanda condena 11 à morte pelo massacre de 1994

Um tribunal declarou mais de 100 pessoas culpadas e condenou 11 delas à morte, ao final do maior julgamento, até agora, na tentativa ruandesa de fazer justiça nos crimes cometidos durante o genocídio de 1994, informa um promotor. J.M. Netete, promotor da província de Butare, disse que os réus haviam sido acusados por crimes que incluem estupro, tortura, assassinatos e crimes contra a humanidade, todos cometidos durante o massacre de 100 dias que, em meados de 1994, deixou meio milhão de mortos.A corte de três juízes, que conduziu o julgamento num tribunal improvisado erguido no assentamento de Mugusa, no sul de Ruanda, onde os crimes foram perpetrados, sentenciou 71 dos condenado à prisão perpétua; 18 outros a períodos de prisão que variam de um a 25 anos; e absolveu 39.O ministro da Justiça, Jean de Dieu Mucyo, disse que o julgamento em massa de Mugusa é apenas um dos vários em andamento na nação africana, de 8 milhões de habitantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.