Ruanda não irá mais monitorar americanos contra ebola

A ministra da Saúde de Ruanda revogou a decisão de pôr turistas vindos dos Estados Unidos e da Espanha sob observação durante 22 dias como forma de prevenir a transmissão do vírus ebola no país. Agnes Binagwaho afirmou em sua conta no Twitter na noite da quarta-feira que a decisão de monitorar os viajantes era sua e não do governo, e pediu desculpas pelo inconveniente.

Estadão Conteúdo

23 de outubro de 2014 | 11h50

Já o presidente Paul Kagame, também no Twitter, afirmou que as medidas instituídas por Binagwaho não eram necessárias e que sua ministra da Saúde por vezes age antes de pensar. A medida adotada por Binagwaho previa que os viajantes fossem monitorados por 22 dias, tendo de se reportar diaramente a autoridades de saúde do país.

Nenhum caso da doença foi registrado em Ruanda. A embaixada dos Estados Unidos informou que o governo do país não está permitindo a entrada de visitantes que recentemente viajaram à Guiné, Libéria e Serra Leoa. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.