Rudy Giuliani luta para sobreviver nas urnas da Flórida

Os eleitoresda Flórida depositaram seus votos na terça-feira para ajudar adecidir quem será o candidato do Partido Republicano à CasaBranca, e a previsão é que o ex-favorito Rudy Giuliani,ex-prefeito de Nova York, sofra um duro golpe em suaspretensões. Giuliani apoiou sua campanha num bom desempenho na Flórida,praticamente ignorando os primeiros Estados a realizar préviaspara as eleições de novembro. Mas as pesquisas mostram aderrota de Giuliani na Flórida, que tem uma grande população denova-iorquinos aposentados. Seus adversários John McCain e MittRomney mostravam ter ganho força com as vitórias nos primeirosEstados. Mas Giuliani continuava otimista. "Vamos ganhar hoje. Aspesquisas e as previsões erraram", disse ele na manhã de terça. A votação deve ser encerrada às 19h (22h pelo horário deBrasília) na maior parte da Flórida, e uma hora depois naregião noroeste do Estado. Mais de meio milhão de votos deeleitores ausentes já foram depositados, o que pode favorecerGiuliani. A pesquisa Reuters/C-SPAN/Zogby divulgada na manhã deterça-feira mostrou uma apertada liderança de McCain, senadorpelo Arizona, com 35 por cento das intenções de voto, contra 31por cento para Romney, ex-governador de Massachusetts. Giulianie o ex-governador de Arkansas Mike Huckabee estavam empatadosem terceiro, com 13 por cento cada. McCain e Romney dominaram as manchetes na Flórida com odebate sobre quem está mais bem preparado para salvar aeconomia e liderar o país em tempo de guerra no Iraque e noAfeganistão. McCain avançou desde que recebeu o apoio oficialdo governador da Flórida, Charlie Crist. Entre si, McCain e Romney venceram as últimas quatroprévias republicanas. McCain ficou com a Carolina do Sul e NewHampshire, enquanto Romney ganhou Michigan e Nevada. Hucakbeeganhou as primárias inaugurais, em Iowa. O ganhador na Flórida sai em vantagem para a "superterça",no dia 5 de fevereiro, quando 21 Estados realizarão suasprévias republicanas. A disputa democrata na Flórida foi considerada inválidaporque o Estado a marcou para antes do permitido, e oscandidatos democratas evitaram fazer campanha ali. (Reportagem adicional de Tim Gaynor)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.