Rumsfeld diz que será difícil capturar Saddam

O secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, chegou hoje ao Iraque, onde fez uma visita-surpresa à cidade de Kirkuk - centro de produção petrolífera no norte do país - antes de embarcar rumo à capital, Bagdá. Em Kirkuk, em meio a reuniões com comandantes militares americanos e líderes políticos locais, Rumsfeld admitiu que a tarefa de capturar Saddam Hussein e os mais altos dirigentes do regime deposto não será simples. "As chance de darmos de cara (por acaso) com uma dessas pessoas são zero", declarou o secretário. No começo da semana passada, Kirkuk foi o cenário de uma ampla - e malsucedida - operação do Exército americano para capturar o vice-presidente do regime de Saddam, Izzat Ibrahim al-Douri. O comandante da 4ª Divisão de Infantaria, general Raymond Odierno, que recebeu Rumsfeld no aeroporto de Kirkuk, relatou ao secretário os detalhes das operações de busca, acrescentando que ela prosseguiam. A 4ª Divisão é a unidade responsável pela segurança da parte do território do Iraque que vai do norte de Bagdá até Kirkuk e abrange três quartos da região conhecida como "triângulo sunita" - onde a resistência à ocupação americana tem sido mais feroz. Em resposta a uma pergunta de Rumsfeld - numa reunião aberta para a imprensa -, Odierno disse que não serão necessários mais soldados americanos para garantir a segurança da área. "Com o tempo, nós estaremos capacitados para agir com um número cada vez menor de tropas", disse, acrescentando que aumenta a cada dia a cifra de iraquianos que estão sendo treinados para formar unidades de segurança. "Muita gente tem dito que deveríamos ter mais tropas, que deveríamos ter feito isso ou aquilo", declarou depois Rumsfeld. O general Odierno informou depois a Rumsfeld que a intensificação das ações americanas na repressão à resistência atingiu o objetivo de reduzir os ataques das milícias iraquianas contra soldados americanos no triângulo sunita. Após o presidente americano, George W. Bush, ter declarado o fim da fase de grandes combates no Iraque, em maio, 190 soldados dos EUA morreram no país em conseqüência de ações hostis. Rumsfeld - que tinha chegado num avião de carga da Força Aérea dos EUA sob intensa chuva e cercado de fortes medidas de segurança - partiu para Bagdá logo depois dos encontros com as autoridades e de tomar café da manhã com os soldados em Kirkuk. Foi a primeira visita do secretário à cidade, embora esta tenha sido sua terceira viagem para o Iraque desde a queda de Saddam. Em Bagdá, antes de encontrar-se com o chefe da administração civil americana, Paul Bremer, e outros comandantes militares, Rumsfeld foi recebido no aeroporto da capital pelo comandante das forças da coalizão no Iraque, general Ricardo Sánchez. Pouco antes da chegada do secretário, um ex-responsável pela segurança da capital sob o regime de Saddam, Jalaf al-Alusi, tinha sido assassinado a tiros por desconhecidos em sua casa em Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.