Rumsfeld diz que só sai do cargo se Bush pedir

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald H. Rumsfeld, afirmou nesta terça-feira que não considera a opção de pedir demissão apesar das exigências de seis generais aposentados, que pediram sua cabeça nas últimas semanas. Rumsfeld disse que sua permanência no cargo depende somente do presidente George W. Bush. Rumsfeld foi questionado durante uma reunião no Pentágono se consideraria pedir demissão para diminuir a pressão sobre Bush e os republicanos no Congresso. Ele respondeu que não. "O presidente sabe e eu sei que não existem homens indispensáveis. Ele sabe que eu estou à sua disposição", disse ele. O secretário falou por várias horas depois que Bush reiterou seu apoio. "Eu tomo as decisões. E decido que o melhor é que Don Rumsfeld continue como Secretário de Defesa", afirmou Bush a repórteres nos jardins da Casa Branca nesta terça-feira. Rumsfeld disse que estava orgulhoso de seus cinco anos no cargo. Em seu mandato ocorreram as guerras no Afeganistão e Iraque e uma grande reestruturação do Exército. Ele sugeriu que os militares são naturalmente resistentes à mudanças. Sob sua liderança, muitos sistemas bélicos caros foram cancelados e muitas das tropas americanas na Europa e Coréia do Sul foram trazidas para casa. No mês passado, seis generais aposentados pediram a demissão de Rumsfeld, acusando-o de não saber lidar com a Guerra no Iraque, ignorar os conselhos dos comandantes militares e possuir um estilo de gerenciamento arrogante. Sobre as críticas dos comandantes veteranos, Rumsfeld disse que as pessoas devem ser tolerantes a respeito das coisas que são ditas. Questionado sobre a validade das críticas, o secretário afirmou: "Tenho ouvido muito sobre isso e prefiro deixar o tempo passar sobre essa questão".

Agencia Estado,

18 Abril 2006 | 16h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.