Rumsfeld fez negócios com a Coréia do Norte, diz "The Guardian"

Circula na internet uma espécie de foto novela em que George W. Bush pergunta a Colin Powell como os EUA sabem da existência das armas de destruição em massa no Iraque quando Powell responde: ?Temos a nota, presidente?.Hoje, o jornal britânico The Guardian disse hoje que em 2000 o atual secretário de Defesa americano, Donald Rumsfeld, era diretor executivo de uma empresa suíça que vendeu à Coréia do Norte dois reatores nucleares de água leve. Agora, como secretário de Defesa dos EUA, Rumsfeld considera o país asiático como parte do "eixo do mal" exatamente por suas tentativas de adquirir armas nucleares,disse o diário que dedica às "duas caras de Rumsfeld" boa parte de sua primeira página. Rumsfeld era diretor não-executivo da ABB, um gigante daengenharia européia com sede em Zurique, quando, em 2000, a companhia assinou com o governo de Pyongyang um contrato de US$ 200 milhões para projetos e equipamentos-chave para os reatores.O atual chefe do Pentágono teve um posto no conselho deadministração da ABB entre 1990 e 2001, onde ganhava US$ 190.000 por ano, mas renunciou ao cargo para entrar no governo de George W. Bush. A venda de tecnologia nuclear à Coréia do Norte foi um contrato de alto perfil.Em 1999, o então administrador delegado Goran Lindahl visitou o país e a empresa abriu até mesmo um escritório emPyongyang, lembra o The Guardian, acrescentando que "apesar disso, o escritório de Rumsfeld disse que o secretário não se lembra de ter falado sobre o tema no conselho deadministração".Tal declaração foi desmentida por um porta-voz da ABBcitado pelo jornal britânico, segundo o qual "os membros doconselho de administração foram informados sobre o projeto". Um membro do conselho de administração da ABB que nãoquis citar seu nome disse recentemente à revista americanaFortune, lembra ainda o The Guardian, que Rumsfeld fez lobby a favor da companhia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.