Rumsfeld: Hezbollah é forte e bem organizado

A milícia xiita Hezbollah "é um grupo terrorista forte e bem organizado", afirmou nesta quarta-feira o chefe do Pentágono, Donald Rumsfeld, que comentou ainda que o Irã é o principal patrocinador da organização libanesa.Rumsfeld e o chefe do Estado-Maior Adjunto dos EUA, o general Peter Pace, afirmaram em entrevista coletiva que o Pentágono acompanha a situação no sul do Líbano e no norte de Israel, mas os dois evitaram fazer mais comentários sobre o conflito na região."Acompanhamos o que ocorre e certamente consideramos as implicações que isso possa ter para outras partes do mundo", disse Rumsfeld, que acrescentou que qualquer decisão sobre um diálogo com a Síria ou o Irã "corresponde ao presidente" George W. Bush.Sobre o Iraque, o chefe do Pentágono se referiu "aos problemas apresentados por uma era de guerras desiguais, na qual os terroristas atacam a população civil e usam a sociedade em geral como um escudo" para se proteger."Nossas forças combatem de acordo com normas estritas e procuramos separar os alvos militares da população civil", disse. "De todas as formas, - acrescentou - quando há baixas entre os civis, nossos inimigos mobilizam um enorme aparato de propaganda para denunciar tais mortes".Pace explicou que o envio de 3.700 soldados americanos a Bagdá de outras áreas do Iraque tem como propósito apoiar as forças do governo iraquiano no combate a grupos insurgentes que intensificaram suas ações na capital."Há agora cerca de 54 mil soldados da coalizão em Bagdá, dos quais oito mil são americanos", disse Pace. "Além do envio de 3.700 soldados americanos, haverá reforço de cinco mil oficiais iraquianos", acrescentou.Rumsfeld disse que no Iraque "há violência sectária, há xiitas que matam sunitas, sunitas que matam xiitas". "Infelizmente há sunitas que abandonam áreas de maioria xiita, e xiitas que abandonam áreas de maioria sunita", completou o chefe do Pentágono. "Isso constitui uma guerra civil? Não é uma guerra civil clássica a esta altura", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.