Rumsfeld não sabe por que Saddam não usou armas químicas

Perguntado nesta sexta-feira por que o regime iraquiano não usou até agora as armas de destruição em massa contra as tropas americanas e britânicas, o secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, respondeu: ?Não sei?.A existência de armas químicas, bacteriológicas e nucleares no Iraque e a resistência de Bagdá a entregá-las, como mandam várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, foi uma das razões invocadas pelos Estados Unidos para justificar a invasão do país.?Há uma variedade de opiniões sobre esse tema, e muitas delas se concentram em torno da idéia de que o perigo mais sério ocorreria se o regime do Iraque não fugisse e as forças (dos EUA ) se aproximassem de onde eles (seus chefes) estão, emBagdá e Tikrit, e quanto mais perto chegassem, maior seria o perigo (de os iraquianos usarem armas químicas)?, disse Rumsfeld. ?Mas nós não sabemos?, acrescentou. ?Há mais teorias de pessoas que estão do lado de fora do que uma teoria dos que estão estão por dentro (desenvolvida) através de interrogação ou comunicação.?Tikrit é a cidade natal de Saddam Hussein e de vários generais de seu círculo mais próximo. O fato de o regime de Saddam, que usou armas químicas contra os curdos e os iranianos nos anos 80, não ter recorrido a elas no momento de sua agonia sugere algumas possibilidades.Uma é que um grupo de generais, interessados em salvar a própria pele, teria assumido o controle dessa parte do arsenal iraquiano e o teria colocado longe do alcance de Saddam. Outra possibilidade é que o próprio ditador saiba que o emprego dessas armas justificaria a decisão do presidente George W. Bush de atacar seu país, colocaria a opinião internacional do lado dos EUA e eliminaria as únicas saídas à sua disposição: entrar para a galeria de mártires do mundo árabe ou ? o que é menos provável - tentar sobreviver ao ataque e montar uma resistência clandestina àocupação do Iraque pelos Estados Unidos.Existe, também, a possibilidade de Saddam Hussein não usar armas de destruição em massa contra as tropas americanas simplesmente porque não mais aspossui. Embora longe de comprovada, esta tese não foi descartada por Hans Blix e Mohamed El-Baradei, os chefes das equipes de inspetores de armas das Nações Unidas.A comprovação da ausência dessas armas complicaria consideravelmente o pós-guerra para os Estados Unidos, que já terá a arriscadíssima tarefa de ocupar e governar um país de 25 milhões de habitantes, rico em petróleo, em pleno mundoárabe. ?Se não encontramos as armas de destruição em massa, teremos um problema de legitimidade ainda maior do que já temos?, afirmou o ex-conselheiro de segurança nacional do governo Carter Zbigniew Brzezinski.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.