Rumsfeld propôs mudanças em estratégia militar no Iraque

Antes de se demitir no mês passado, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, disse em um memorando que era necessário um "grande ajuste" da estratégia no Iraque, segundo o jornal "The New York Times"."É hora de um grande ajuste. Claramente, o que as forças americanas estão fazendo no Iraque não está funcionando suficientemente bem ou suficientemente rápido", disse Rumsfeld no documento com data de 6 de novembro, e divulgado neste domingo na página de internet do jornal nova-iorquino.O Pentágono confirmou a autenticidade do documento do secretário de Defesa, mas não fez comentários a respeito. Entre as idéias propostas pelo ainda secretário de Defesa estão o deslocamento de tropas americanas para as proximidades das fronteiras com Síria e Irã - para diminuir a influência iraniana no Governo do Iraque -, um aumento do número de assessores militares americanos e a transferência de mais equipes às Forças de Segurança iraquianas.Além disso, Rumsfeld acredita que os EUA devem iniciar "uma retirada modesta" das forças americanas e da coalizão para encorajar o Governo iraquiano a assumir por conta própria as tarefas de segurança. Também propôs que os Estados Unidos reduzam o número de bases militares de 55 atualmente, para apenas cinco em julho de 2007. A divulgação do documento acontece no momento em que o Grupo de Estudo sobre o Iraque deve entregar, na próxima quarta-feira, ao Governo um relatório no qual recomenda, entre outras coisas, uma retirada paulatina dos cerca de 140 mil soldados americanos posicionados no Iraque.Calcula-se que mais de 2.800 soldados americanos morreram no Iraque desde a invasão militar liderada por Washington, em março de 2003, para derrubar o regime de Saddam Hussein. Horas antes da notícia sobre o memorando, o presidente Bush disse em seu discurso radiofônico dos sábados que está disposto a analisar as recomendações do Grupo de Estudo sobre o Iraque, antes de decidir qualquer ajuste na estratégia de seu Governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.