Rumsfeld relembra Abu Ghraib em discurso de despedida

Em um discurso de despedida emocionado, o secretário de Defesa demissionário dos Estados Unidos, Donald H. Rumsfeld, disse nesta sexta-feira que seu pior momento à frente do cargo foi o dia em que ficou sabendo dos abusos cometidos por soldados americanos na prisão iraquiana de Abu Ghraib."Com certeza o pior dia foi aquele em que eu soube de Abu Ghraib - vendo o que aconteceu lá e me sentindo profundamente triste pelo que aconteceu", disse ele, sem hesitar, numa referência ao escândalo de 2004 que gerou protestos em todo mundo. À época, Rumsfeld chegou a oferecer seu cargo por duas vezes ao presidente George W. Bush."Quanto ao meu melhor dia, não sei, talvez uma semana depois de segunda", disse Rumsfeld, com um grande sorriso, referindo-se ao fato de que seu substituto, o ex-diretor da CIA Robert Gates, assumirá o cargo no próximo dia 18.Falando aos funcionários do Departamento de Defesa faltando 10 dias para sua saída, Rumsfeld defendeu suas políticas para o Iraque e Afeganistão, e alertou para as "conseqüências horríveis caso os Estados Unidos falhem no Iraque".Ele disse também que escreveria um livro sobre seu período à frente do Pentágono e previu que seu sucessor fará um bom serviço. Rumsfeld não quis comentar que dicas teria dado a Gates, cuja indicação foi aprovada esta semana pelo Senado americano.O atual secretário de Defesa pediu demissão um dia depois de confirmada a vitória democrata nas eleições legislativas do dia 7 de novembro. O pleito foi considerado uma espécie de referendo das políticas americanas para o Iraque. Rumsfeld foi um dos principais arquitetos do conflito.Ele falou longamente sobre sua preocupação acerca das conseqüências de uma eventual derrota dos Estados Unidos no Iraque e Afeganistão. "Temos todas as chances do mundo de vencermos nos dois países, mas apenas se tivermos paciência e o poder de continuarmos lá", disse ele. Perguntado sobre as sugestões do Grupo de Estudos sobre o Iraque para solucionar a crise no país árabe, Rumsfeld respondeu que nenhuma das opções apresentadas pela comissão bipartidária eram novas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.