Rumsfeld vê guerra mais perto do começo que do fim

A Guerra do Golfo "está mais perto do início do que do final", afirmou hoje o secretário de Defesa americano, Donald Rumsfeld, em declarações no Pentágono.Rumsfeld afirmou que o choque entre as forças da coalizão e divisões da Guarda Republicana, ao sul de Bagdá, marca ?onde a parte difícil começa?. Helicópteros americanos atacaram a Divisão Medina da Guarda, foram recebidos com fogo pesado e retiraram-se.O secretário repudiou as críticas de que a invasão do Iraque começou com poucos soldados e pouca proteção. Ele disse que os comandantes militares estão ?muito confortáveis? com o plano de guerra e que forças da coalizão continuam a se derramar para dentro do Iraque ?a cada minuto de cada hora de cada dia?. PrisioneirosAs forças americanas e britânicas fizeram mais de 3.500 prisioneiros de guerra, disse o secretário. Ele afirmou, em entrevista coletiva no Pentágono, que ajuda humanitária, sob a forma de ?comida, água e remédios? já estava sendo entregue.Além dos prisioneiros, Rumsfeld afirmou que milhares de outros combatentes iraquianos deixaram seus postos. Ele afirmou que os prisioneiros estão sendo tratados de acordo com a Convenção de Genebra e que a Cruz Vermelha tem acesso a eles. O secretário pediu que o governo iraquiano faça o mesmo.Perguntado sobre a situação em Basra, a segunda maior cidade do Iraque, Rumsfeld disse que guerrilhas Fedayeen, leais a Saddam Hussein, estão se infiltrando na cidade, e que elas representam uma ?ameaça do tipo terrorista? contra as forças da coalizão. Ele disse não ter visto informes de uma revolta entre a população de Basra. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.