Ruralistas argentinos fazem novos protestos

As estradas argentinas foram o cenário de novos protestos protagonizados pelos produtores agropecuários hoje contra o governo da presidente Cristina Kirchner. Nas manifestações realizadas nas províncias de Buenos Aires, Santa Fe e Entre Ríos, os ruralistas protestaram contra a permanência de medidas ordenadas pelo governo para a restrição das exportações de carne bovina, trigo e laticínios. Os ruralistas também exigem que o governo defina uma política de estímulo ao setor agropecuário e ameaçam realizar locautes agrários.Os protestos foram realizados pela Federação Agrária, a mais combativa das quatro associações agropecuárias. Seu líder, Eduardo Buzzio, declarou que as manifestações realizadas hoje são apenas um "advertência" ao governo. "Esperamos que o governo leve em conta (as exigências), já que depois destas manifestações o passo seguinte é o locaute, que incluirá a paralisação da comercialização de cereais e oleaginosas, além da realização de piquetes nas estradas", disse.O pivô destes novos protestos são as fortes limitações que o governo argentino aplica às vendas de carne, trigo e laticínios para o exterior. Com estas restrições, a administração Cristina redireciona os produtos para o mercado interno argentino, e assim, tenta forçar uma queda de seus preços. Os produtores criticam a medida, alegando que estão perdendo lucrativos mercados no exterior. As restrições para as vendas de trigo afetam o Brasil, cujo mercado possui alta dependência desse cereal proveniente da Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.