Rússa influiu em decisão sobre EUA, admite Quirguistão

A embaixadora do Quirguistão em Washington, Zamira Sydykova, disse hoje que a decisão do governo de seu país de ordenar que os Estados Unidos deixem a base aérea de Manas foi influenciada pelo auxílio econômico russo. O país sofre com uma grande dívida. Zamira também disse que os EUA não responderam a uma oferta para negociar um acordo sobre as operações militares norte-americanas no país da Ásia central.

AE-AP, Agencia Estado

12 de março de 2009 | 20h28

No mês passado, o Quirguistão ordenou que os EUA deixem a base militar em seis meses. O presidente Kurmanbek Bakiyev anunciou o fechamento pouco depois de a Rússia se comprometer a entregar US$ 2,15 bilhões em auxílio e empréstimos para a empobrecida nação ex-soviética. Mas funcionários russos e quirguizes haviam negado o vínculo entre a ajuda e a decisão de retirar os EUA da base. A instalação é importante para as operações norte-americanas no Afeganistão.

A embaixadora reconheceu hoje que o dinheiro de Moscou teve seu papel de influência na decisão. Ela disse que a Rússia está tendo um papel maior no desenvolvimento econômico do país e as duas nações estão tomando mais "decisões mútuas". O Departamento de Estado norte-americano afirma que segue negociando o uso da base com o Quirguistão. Passam mensalmente pela base aérea de Manas 15 mil soldados e 500 toneladas de carga para e do Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
diplomaciabaseQuirguistãoEUARússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.