Rússia acusa ativistas do Greenpeace de 'pirataria'

Quatorze ativistas do Greenpeace presos há duas semanas durante um protesto em uma plataforma de exploração de petróleo pertencente à Rússia foram formalmente acusados de "pirataria", informou hoje o grupo ambientalista. A brasileira Ana Paula Maciel está entre os acusados. A pena máxima prevista para o crime de pirataria na Rússia é de 15 anos de prisão.

AE, Agência Estado

02 de outubro de 2013 | 13h05

Ana Paula fazia parte de um grupo de 30 ativistas de 18 nacionalidades a bordo de um navio do Greenpeace apreendido pela Guarda Costeira russa após o protesto de 18 de setembro. A expectativa é de que mais ativistas sejam indiciados entre hoje e amanhã. Os 30 ativistas estão detidos em Murmansk, uma cidade portuária no Círculo Polar Ártico. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGreenpeace

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.