Omar Haj Kadour / AFP
Omar Haj Kadour / AFP

Rússia acusa EUA de lançarem bombas de fósforo contra província síria

Ataques aéreos tiveram como alvo o vilarejo de Hajin, último grande reduto do Estado Islâmico na Síria; Washington nega as acusações

O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2018 | 10h13

MOSCOU - As Forças Armadas da Rússia disseram no domingo, 9, que dois caças F-15 americanos lançaram bombas de fósforo contra a província síria de Deir es-Zor no sábado, disseram as agências de notícias Tass e RIA. Os EUA negaram a acusação.

Os ataques aéreos tiveram como alvo o vilarejo de Hajin, último grande reduto do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria, e provocaram incêndios. Contudo, não há informações sobre vítimas, segundo as Forças Armadas russas.

Um porta-voz do Pentágono negou que aviões americanos tenham lançado bombas de fósforo. “Até agora, não recebemos qualquer relatório de qualquer uso de fósforo branco”, disse o comandante Sean Robertson. “Nenhuma das unidades militares da área sequer está equipada com munições de fósforo branco de qualquer tipo.”

Reveja: explosão em paiol deixa quase 40 mortos na Síria

Grupos de direitos humanos disseram que coalizões lideradas pelos EUA contra o EI já usaram munições de fósforo branco durante a guerra da Síria.

As bombas podem criar densas cortinas brancas de fumaça e são utilizadas como dispositivos incendiários. Grupos de direitos humanos criticam seu uso em áreas povoadas porque elas podem matar e mutilar ao queimar pessoas até os ossos. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.