Tyler Hicks/The New York Times
Tyler Hicks/The New York Times

Rússia acusa EUA de violar cessar-fogo na Síria

Segundo Observatório Sírio de Direitos Humanos, foram registrados confrontos entre forças do governo sírio e facções islâmicas

O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2016 | 11h26

MOSCOU - O Ministério da Defesa da Rússia disse nesta quinta-feira, 15, que os EUA estão usando uma "cortina de fumaça verbal" para esconder a relutância em cumprir com sua parte do acordo para um cessar-fogo na Síria, incluindo a separação de setores de oposição moderada de grupos terroristas. Os russos também negaram as acusações dos americanos de que teriam violado o acordo.

Após o terceiro dia da trégua que entrou em vigor na noite de segunda-feira, apenas as forças do governo sírio estão observando o cessar-fogo, de acordo com um comunicado do Ministério russo.

A Rússia disse ainda que as unidades de oposição "controladas pelos EUA" intensificaram seus ataques às áreas residenciais civis.

Nas últimas horas, foram detectadas algumas violações do cessar-fogo na Síria, embora continue reinando uma calma relativa na maior parte do território, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Durante esta madrugada, explodiram combates entre as forças governamentais e facções islâmicas nos arredores dos povos de Hush Nasri, Al Rihani, Hush al Fara e Nashabie, na região de Ghouta Oriental, principal reduto opositor dos arredores de Damasco. Além disso, autoridades lançaram vários projéteis contra a cidade de Al Shifunia, na mesma área.

Enquanto isso em Alepo, a maior cidade do norte do país, vários projéteis disparados por facções islâmicas caíram nas proximidades dos distritos de Alepo Novo e de Yamiat al Zahra, sob o controle do regime. Na periferia da cidade, aviões de guerra não identificados lançaram três projéteis contra a população de Qabtan al Jabal.

O OSDH acrescentou que no centro do país os soldados governamentais lançaram projéteis contra a cidade de Kafr Laha, no norte da Província de Homs. Já no sul da Síria, o Exército abriu fogo com armas automáticas contra a cidade de Al Yaduda e disparou foguetes contra Al Dael, na região de Deraa.

Combate ao error. Pelo menos 40 pessoas ficaram feridas nesta quinta-feira por bombardeios de aviões de guerra não identificados contra uma zona sob o controle do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) no nordeste da Síria, segundo o Observatório.

A ONG detalhou que os aparatos realizaram quatro ataques aéreos contra distintas partes da população de Al Mayadin, no leste da Província de Deir Es-Zor, incluindo uma escola e um estacionamento.

Alguns feridos estão em estado grave e não se descarta a possibilidade de haver mortos.

Veja abaixo: Tiros na Síria interrompem fala de general russo

O EI está excluído do acordo de cessar-fogo alcançado por Washington e Moscou. Segundo o que foi estabelecido, a trégua durará sete dias e depois ambas potências prepararão ataques contra os extremistas na Síria.

Quase toda a Província de Deir Es-Zor está dominada pelos radicais, exceto alguns bairros de sua capital homônima e o aeroporto militar, sob controle das forças governamentais sírias. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.