Rússia acusa EUA por demora em acordo nuclear

A Rússia acusou hoje os Estados Unidos pela demora nas negociações para um novo tratado sobre desarmamento de armas nucleares entre as duas nações. Fontes dos dois lados admitiram que não será possível firmar o acordo ainda este ano.

AE, Agencia Estado

17 de dezembro de 2009 | 10h21

Funcionários dos EUA e da Rússia mantêm intensas negociações em Genebra sobre o texto para substituir o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), de 1991. O acordo levou a reduções profundas de arsenais nucleares, mas expirou em 5 de dezembro, sem ser substituído.

"Nos últimos dois dias nós notamos um retardamento nas posições dos negociadores dos EUA em Genebra", afirmou o ministro das Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov. A substituição do Start parece se tornar um motivo de embaraço para os dois lados, após vários prazos para fechar o pacto estourarem.

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, e o presidente norte-americano, Barack Obama, se comprometeram a firmar o acordo em 5 de dezembro. Depois, funcionários dos dois lados remarcaram a data para o fim deste ano. Na quarta-feira, um funcionário do Departamento de Estado, pedindo anonimato, afirmou que não espera um novo acordo para antes do ano que vem. Um funcionário do Kremlin se recusou a adiantar qual será a nova data. Segundo a fonte russa, "o acordo está quase pronto".

Vontade política

Lavrov notou que em várias questões importantes já há um acordo, porém seguem as divergências sobre alguns pontos. Observadores afirmam que é a Rússia que deliberadamente dificulta o novo tratado. "Se houvesse vontade política, o acordo poderia ser firmado a qualquer momento", afirmou Alexander Golts, um analista de defesa independente. "Mas é importante para a Rússia que essas conversas durem ''para sempre''", disse ele, argumentando que é cômodo para o Kremlin ter um importante assunto importante pendente com a nação mais poderosa do mundo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAacordo nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.