Bob Leonard/AP
Bob Leonard/AP

Rússia alertou EUA 'diversas vezes' sobre Tamerlan Tsarnaev, dizem senadores

Autoridade americana disse que irmãos teriam planejado fugir para Nova York após o atentado

O Estado de S. Paulo,

24 de abril de 2013 | 12h45

(Atualizada às 15h40) WASHINGTON - Autoridades russas entraram em contato com o governo dos EUA "diversas" vezes preocupados com Tamerlan Tsarnaev, um dos acusados pelo atentado à Maratona de Boston na semana passada, disseram senadores americanos informados da investigação na terça-feira. Segundo eles, um alerta também foi enviado pela Rússia após Tamerlan ser interrogado em Boston pelo FBI em 2011.

A declaração questiona mais uma vez se o FBI deveria ter prestado mais atenção ao rapaz de origem chechena. A polícia americana informou ter interrogado o acusado em 2011 após o contato russo, mas concluiu que não houve evidências de que ele era uma ameaça. "o FBI foi informado, mas não recebeu informações mais específicas da Rússia", disse a agência semana passada.

Além dos detalhes sobre os contatos russos, vieram à tona revelações de que os irmãos Tsarnaev teriam planejado fugir para Nova York na semana passada, após o atentado, com um carro cheio de bombas, segundo uma autoridade. "Nós matamos um policial. Nós explodimos a maratona. E agora estamos indo para Nova York. Não mexa com a gente", teria dito Tamerlan a testemunhas, segundo a fonte, citada pelo jornal The Boston Globe.

Viagem. O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, afirmou nesta quarta-feira que Tamerlan retornou de sua viagem à Rússia em 2012 "disposto a matar". Ele "aprendeu algo onde esteve e voltou (aos EUA) disposto a matar."

Guerras. Na terça-feira, o irmão de Tamerlan, Dzhokhar, disse a investigadores que os dois não tinham contato com grupos terroristas, mas executaram o ataque motivados pela militância islâmica e pelas guerras americanas no Iraque e no Afeganistão. / AP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.