Rússia ameaça de novo pôr mísseis em Kaliningrado

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, reiterou ontem que seguirá adiante com o plano de instalar uma bateria de mísseis no enclave russo de Kaliningrado, perto da Polônia, caso os EUA insistam na criação de um escudo antimísseis no Leste Europeu. "Se não pudermos chegar a um acordo sobre a defesa antimísseis, vocês sabem quais são as consequências", disse Medvedev a jornalistas na conclusão do encontro do G-8, na Itália. "Não tenho nada a acrescentar ao que disse no meu discurso à nação", em novembro. Na ocasião, Medvedev referiu-se ao programa antimísseis americano como uma "ameaça" e prometeu responder à iniciativa instalando uma bateria de mísseis táticos Iskander no enclave russo de Kaliningrado, situado na costa do Mar Báltico, entre Polônia e Lituânia.A declaração feita ontem por Medvedev contrasta com o clima cooperativo demonstrado quatro dias antes, em Moscou, quando ele recebeu o presidente americano, Barack Obama. Um dos temas discutidos no encontro foi justamente a criação de um sistema global de defesa, além de um acordo preliminar para reduzir os arsenais nucleares de ambos os países. Para o presidente russo, os americanos deveriam trocar a ideia do escudo antimísseis no Leste Europeu pelo apoio a um sistema de radares que seria instalado por Moscou no território da República Checa. "Se os EUA querem proteção contra ameaças, podemos ajudá-los com nossos radares."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.