Rússia descumpre cessar-fogo e Ucrânia adia retirada de civis

Rússia descumpre cessar-fogo e Ucrânia adia retirada de civis

Acordo previa corredores humanitários que possibilitariam a saída de 215 mil pessoas da região

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2022 | 05h10
Atualizado 05 de março de 2022 | 15h39

LVIV -  A Rússia está descumprindo um acordo de cessar-fogo em algumas áreas da Ucrânia, frustrando planos de retirada de civis, disse o assessor presidencial ucraniano Oleksii Arestovich em uma transmissão televisionada. O cessar-fogo, que deveria contemplar as cidades de Mariupol e Volnovakha, foi anunciado neste sábado, 5. O governo ucraniano planejava retirar 215 mil pessoas da região.

Autoridades de Mariupol também disseram que as forças russas que cercam a cidade desrespeitaram o cessar-fogo acordado. Em um comunicado, a prefeitura da cidade pediu aos moradores que retornassem aos abrigos da cidade e aguardassem mais informações sobre o plano de retirada.

Mais cedo, o Ministério da Defesa russo havia divulgado a abertura de corredores humanitários próximos das duas cidades, que estão cercadas por tropas de Moscou. Em Mariupol, civis seriam autorizados a sair durante uma janela de cinco horas, segundo as autoridades da cidade.

O Ministério da Defesa russo disse, no entanto, que sua ampla ofensiva na Ucrânia continuaria, disse a agência de notícias russa RIA.

Agências de ajuda alertam para uma crise humanitária que se desenvolve à medida que alimentos, água e suprimentos médicos se esgotam e refugiados afluem para o oeste da Ucrânia e países europeus vizinhos. 

Na cidade portuária de Mariupol, no sudeste do país -- cuja captura seria um prêmio chave para a Rússia -- não há água, calor ou eletricidade e os alimentos estão acabando, disse o prefeito Vadim Boichenko. "Estamos simplesmente sendo destruídos", afirmou.

A Ucrânia diz que as forças russas concentraram esforços em cercar a capital, Kiev, e a segunda maior cidade do país, Kharkiv, enquanto tentam estabelecer uma ponte terrestre para a Crimeia.

Um negociador ucraniano, Mikhailo Podoliak, disse na quinta-feira que uma segunda rodada de negociações de cessar-fogo com a Rússia não produziu os resultados que Kiev esperava, mas ambos os lados chegaram a um entendimento sobre a criação de corredores humanitários. /REUTERS E AP

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrânia [Europa]Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.