Rússia anuncia privatização de Aeroflot e outras estatais 'estratégicas'

Governo quer angariar US$ 30 bilhões em nova iniciativa para reduzir presença do Estado na economia.

BBC Brasil, BBC

27 de junho de 2011 | 08h33

O ministro da Economia russo, Alexei Kudrin, anunciou, em uma entrevista coletiva em Moscou, que a Rússia abrirá os setores de finanças, petróleo, comunicações e transporte para privatizações.

Com isso, o país passaria a deixar de ser acionista majoritário em diversas companhias consideradas estratégicas.

Entre as principais empresas a serem parcial ou integralmente privatizadas figura a companhia aérea estatal Aeroflot.

A iniciativa faz parte da estratégia do presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, de buscar reduzir a presença do Estado na economia. Ele determinou que seu governo apresente uma ampla agenda de companhias que deverão constar do programa de até o dia 1° de agosto.

Durante a entrevista, Alexei Kudrin afirmou que o governo deverá deixar de ser acionista majoritário em várias grandes companhias dentro de três a cinco anos.

''O Estado deve deixar de controlar quase que todas as companhias estratégicas. Estamos falando do setor financeiro e de petróleo, bem como o de telefonia e de transporte'', disse Kudrin.

US$ 30 bilhões

O ministro da Economia afirmou que as primeiras companhias a serem oferecidas ao capital privado serão a companhia de navegação Sovkomflot e a Aeroflot.

Kudrin disse esperar que as privatizações russas angariem um total de US$ 30 bilhões nos próximos três anos.

Mas ele acrescentou que este seria apenas o ''primeiro pacote'' das privatizações.

De acordo com o titular da Economia russa, o programa poderá ser ampliado em 25% a 50% se o país executar com sucesso a primeira etapa de privatizações.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.