Rússia apoia candidatura indiana a assento permanente na ONU

Em visita a Nova Délhi, Medvedev reconhece reivindicação da Índia a lugar privilegiado no Conselho de Segurança

, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2010 | 00h00

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, anunciou que seu país apoia a candidatura da Índia a um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. A declaração foi feita durante uma visita de Medvedev a Nova Délhi, encerrada ontem.

O presidente russo firmou na Índia cerca de 30 acordos, que incluem o desenvolvimento conjunto de um avião de caça, construção de usinas nucleares e até mesmo missões para exploração da Lua. Antes de Medvedev, estiveram em Nova Délhi o americano Barack Obama, o francês Nicolas Sarkozy, o chinês Wen Jiabao e o britânico David Cameron.

"A Índia é uma noiva com muitos pretendentes", brincou um repórter da televisão de Moscou.

Obama havia anunciado seu apoio à candidatura indiana ao órgão máximo da ONU quando visitou o país, em novembro. A decisão foi comemorada pelo Itamaraty, que viu a "volta do diálogo sobre a reforma do conselho".

Índia, Brasil, Japão e Alemanha formam o chamado "G-4", grupo de países que lidera a campanha para alterar a atual divisão de assentos permanentes no Conselho de Segurança e conquistar uma vaga definitiva no cobiçado clube - formado por EUA, França, China, Grã-Bretanha e Rússia.

Desde a Guerra Fria, Índia e Rússia aproximaram-se por compartilhar objetivos estratégicos na Ásia. Ambos temem o fortalecimento excessivo da China e, durante décadas, Moscou viu a Índia como um meio para conquistar o apoio de países do chamado "terceiro mundo".

Até hoje a Rússia é o principal fornecedor de armamento à Índia, embora o governo indiano tenha procurado diversificar a origem de seus arsenais. Segundo os acordos firmados por Medvedev, os dois aliados passarão a produzir um caça binacional a partir de 2015. O objetivo seria competir com as aeronaves americanas F-22 e F-35. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.