Rússia ataca cidade da Geórgia fora da região de conflito

Bush diz que ampliação do conflito para além da província separatista coloca em risco a paz na região

AE e Efe, Agencia Estado

09 de agosto de 2008 | 10h39

A Rússia intensificou neste sábado, 9, a ofensiva na Geórgia ampliando bombardeios aéreos para algumas cidades próximas a região do conflito, Ossétia do Sul, como Gori, onde vários edifícios estavam em ruínas e corpos podiam ser vistos pelas ruas. Entre as vítimas, estariam idosos e crianças. Aviões russos também teriam atingido uma base militar nas redondezas de Gori, além de outras bases próximas.     Veja também: Polônia pede convocação de cúpula da UE sobre Ossétia do Sul Medvedev diz a Bush que Geórgia deve retirar exército Conflito na Geórgia cresce em outra província separatista Presidente georgiano propõe fim imediato das hostilidades Medvedev anuncia ofensiva russa para 'impor a paz' à Geórgia Entenda o conflito separatista na Geórgia Assista ao vídeo no Youtube  Professor comenta a situação no Cáucaso  Galeria de fotos do conflito  Na madrugada deste sábado, 9, a força área russa atacou a base militar de Vaziani, próximo à capital da Geórgia, Tskinvali, e do oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan, que responde por cerca de 1% do petróleo exportado no mundo. Segundo o ministro do Interior da Geórgia, Shota Utiashvili, também outras duas bases militares foram atingidas e aviões bombardearam o porto de Poti, no Mar do Norte, local de grande importância para a indústria de petróleo.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse, em Pequim, que a ampliação do conflito para além da província separatista da Ossétia do Sul coloca em risco a paz na região e pediu o fim da violência. Os EUA são aliados da Geórgia. "Estou profundamente preocupado com a situação na Geórgia", disse Bush a repórteres em Pequim, onde acompanha os Jogos Olímpicos. "Os ataques estão ocorrendo em regiões da Geórgia distantes da área de conflito e isto representa uma perigosa escalada da crise", alertou.Em tom sóbrio, o presidente americano disse que "a violência está ameaçando a paz regional" e a "vida de civis". "Pedimos suspensão imediata da violência e a retirada de todas as tropas. Pedimos pelo fim dos bombardeios russos e o retorno, de ambas partes, às condições de quarta-feira (dia 6)". Um porta-voz dos Estados Unidos, Gordon Johndroe, disse que Bush conversou recentemente com o presidente russo, Dmitry Medvedev, e com o presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, "reiterando a posição dos EUA aos dois líderes". O conflito entre o exército da Geórgia e russo foi iniciado ontem, depois de a Geórgia lançar ofensiva para retomar o controle da província separatista, detonando uma resposta da Rússia, que mantém relação próxima com a Ossétia do Sul. Em Moscou, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Servey Labrov, disse que cerca de 1,5 mil pessoas morreram e que esse número poderia aumentar hoje. As informações são de agências internacionais.   Polônia e repúblicas bálticas   A Polônia e as três repúblicas bálticas - Lituânia, Letônia e Estônia - condenaram, em comunicado conjunto, a atitude da Rússia contra a Geórgia, com a entrada das tropas russas na Ossétia do Sul. A intervenção da Rússia transgride o direito internacional e é "um ato de agressão", disse o presidente polonês, Lech Kaczynski, em um comparecimento à imprensa, em Varsóvia.   O chefe do Estado polonês insistiu em que tanto a Abkházia quanto a Ossétia do Sul são parte da República da Geórgia "e nada pode mudar essa situação".   A Polônia e as repúblicas bálticas pedem, em seu comunicado à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e à UE, a "agir em conseqüência", o que, nas palavras de Kaczynski, não pode se traduzir desta vez em "meros comunicados".

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaEUABush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.