Rússia atribui rompimento militar à política da Otan

A Rússia afirmou que a política de "dois pesos e duas medidas" do Ocidente em relação ao conflito da Geórgia forçou o país a congelar a cooperação militar com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Em um comunicado divulgado hoje, a Rússia informou que iria interromper todos os exercícios militares, as trocas de delegações militares, as visitas de alto nível de funcionários da Otan a Moscou e o desembarque de navios de combate da Otan em portos russos. A Otan anunciou o rompimento na quinta-feira.O governo russo afirmou ainda que um comitê sobre a manutenção de paz seria suspenso, bem como um acordo que teria permitido às tropas da Otan cruzar o território russo, e também as negociações para que aviões militares de carga russos trabalhassem com a aliança.Porém, os russos afirmaram estar prontos para "manter a cooperação no combate ao terrorismo internacional, ao tráfico de drogas, no planejamento para emergências civis e no controle de armas".A Otan anunciou na quinta-feira que Moscou interrompeu a cooperação militar. Funcionários ocidentais minimizaram a medida, afirmando que as nações aliadas haviam decidido paralisar os programas de cooperação, como resposta à manutenção da presença militar russa na Geórgia.Segundo a entidade, é pouco provável que a atitude russa atrapalhe a missão da Otan no Afeganistão. O motivo é que a aliança ainda não havia começado a utilizar rotas de suprimento através do território russo, conforme previsto em um acordo firmando em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.