Courtesy of Satellite image 2022 Maxar Technologies/Handout via Reuters
Courtesy of Satellite image 2022 Maxar Technologies/Handout via Reuters

Rússia aumenta prontidão de forças perto da Ucrânia, diz empresa americana de satélites

Imagens feitas entre os dias 19 de janeiro e 1º de fevereiro indicam que Moscou enviou mais tropas para seus agrupamentos militares em Belarus, na Crimeia e no oeste de seu próprio território

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2022 | 21h23

MOSCOU - Novas imagens de satélite sugerem que a Rússia enviou mais tropas para seus agrupamentos militares em Belarus, na Crimeia e no oeste de seu próprio território, afirmou uma empresa americana privada especializada em imagens de satélite nesta quarta-feira, 2. A agência Reuters não conseguiu verificar de forma independente a veracidade das imagens fornecidas pela empresa, Maxar Technologies, que teriam sido tiradas entre os dias 19 de janeiro e 1º de fevereiro.

O envio de militares para para a região fronteiriça com a Ucrânia alimenta temores de que Moscou planeja um ataque ao país, o que a Rússia nega, dizendo que envia tropas e equipamentos para manobras conjuntas com Belarus.

A Maxar disse em um comunicado que, embora a Rússia tenha implantado equipamentos e unidades militares perto da Ucrânia nos últimos dois meses, em muitos casos poucas tropas ou novas unidades de acomodação para pessoal adicional foram observadas. O padrão sugeria que algumas das unidades teriam sido pré-posicionadas ou enviadas para a frente, mas as novas imagens mostraram novos e significativos desdobramentos em Belarus e mais tropas em várias regiões militares.

"Tendas/abrigos de tropas foram vistas em praticamente todos os locais de implantação em Belarus, Crimeia e oeste da Rússia, o que sugere que as unidades agora estão acompanhadas de tropas e aumentaram seu nível geral de prontidão", disse a Maxar no comunicado. "Além disso, a atividade de treinamento militar local (incluindo artilharia de fogo real e treinamento de manobra) foi observada em andamento em várias áreas de treinamento." 

Konrad Muzyka, diretor da consultoria Rochan, com sede na Polônia, disse que uma análise própria descobriu um aumento no número de militares em unidades pré-posicionadas perto da Ucrânia, e especialmente na Crimeia, anexada pela Rússia em 2014. Ele disse ter pensado que os exercícios militares conjuntos entre Rússia e Belarus também seriam realizados na Crimeia e na Rússia ocidental. 

"A grande questão é o que vai acontecer depois. Eles vão voltar para casa? Ou vão se mudar para as áreas de treino? O exercício em si lhes dá uma grande oportunidade de mascarar os movimentos para as áreas de treino", disse Muzyka.

O Ministério da Defesa de Belarus disse que as forças militares russas deixarão o país após os exercícios. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.