Heidi Levine/Washigton Post
Heidi Levine/Washigton Post

Rússia indica que fará ataques contra empresas de defesa da Ucrânia

Ministério da Defesa russo afirmou que aviso tem como objetivo evitar colocar em risco vida dos funcionários ucranianos das empresas em meio a guerra

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2022 | 15h07

O porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov, revelou neste domingo, 6, que foi emitido um alerta aos funcionários de empresas de defesa da Ucrânia, devido a ataques que serão realizados com armas de alta precisão no território ucraniano. 

De acordo com o general, as ações contra a indústria de defesa acontecerão "como parte do cumprimento de objetivos" do que Moscou tem chamado de "desmilitarização da Ucrânia", segundo indicaram as agências russas de notícias. 

A advertência do Ministério da Defesa antecede os ataques, como explicou Konashenkov, para evitar colocar em risco a vida dos funcionários das empresas. O porta-voz da pasta ainda ameaçou os países vizinhos à Ucrânia, que permitirem o pouso de aviões de combate ucranianos que serão utilizados no combate contra aeronaves russas. Para o membro do governo Putin, aliados do exército ucraniano também serão considerados parte do conflito. 

Konashenkov ainda alegou que, praticamente, toda a aviação ucraniana foi destruída, enquanto admitiu que está ciente de que aviões de guerra ucranianos voaram para a Romênia e outros países de fronteira. 

Além disso, o porta-voz do Ministério da Defesa afirmou que as forças armadas russas têm evidências de uma "eliminação de emergência" de restos que apontam para o uso de uma arma biológico-militar que teria sido adotado pela Ucrânia através de financiamento americano. 

Segundo a versão de Konashenkov, os funcionários de laboratórios revelaram que, no último dia 24, foram destruídos patógenos perigosos, como Yersinia pestis, causadora da peste, e a Bacillus anthracis, responsável pela infecção antraz, cólera e outras doenças mortais./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.