Rússia bombardeia base próximo a Tbilisi, diz Geórgia

Autoridades da Geórgia informaram que aviões russos atacaram base próximo a Tbilisi, capital do país. O ministro das Relações Exteriores da Georgia disse que irá buscar ajuda para parar agressão russa. Pouco antes, o Conselho de Segurança Nacional da Geórgia advertiu que Moscou e Tbilisi estarão em "estado de guerra" se tanques e outros veículos militares russos entrassem na Ossétia do Sul. "Se for verdade que forças e armamentos russos foram enviados à Geórgia, isso significa que estamos em estado de guerra com a Rússia", declarou Alexander Lomaia, secretário do Conselho de Segurança Nacional. Ele fez a declaração depois de tanques, caminhões e veículos blindados de transporte de tropas da Rússia terem sido avistados na Ossétia do Norte, província russa que faz fronteira com a Geórgia, seguindo em direção à Ossétia do Sul.O canal 1 da televisão russa exibiu imagens de um comboio de tanques russos e informou que os veículos de guerra já haviam ingressado hoje na Ossétia do Sul. A expectativa, prosseguiu a emissora, é de que os tanques cheguem Tskhinvali, capital da província, dentro de algumas horas. A mobilização ocorre depois de uma série de declarações de líderes russos prometendo proteger os cidadãos da região em meio a uma ampla ofensiva militar da Geórgia contra a Ossétia do Sul.Em Tbilisi, forças georgianas derrubaram hoje dois aviões de combate russos, afirmou um oficial do Exército da Geórgia. Pouco antes, um funcionário do Ministério de Interior da Geórgia anunciou o início de um cessar-fogo de três horas de duração para que os civis que vivem em Tskhinvali, capital da Ossétia do Sul, possam deixar a cidade. O cessar-fogo entrou em vigor, disse Shota Utiashvili, porta-voz do ministério. Ontem, tropas georgianas lançaram uma ofensiva militar para retomar o controle da Ossétia do Sul, uma província rebelde estreitamente identificada com a Rússia. Autoridades do governo da Ossétia do Sul disseram que pelo menos 15 pessoas morreram durante a ofensiva. Também houve feridos, mas não há números disponíveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.