EFE / YOUSSEF BADAWI
EFE / YOUSSEF BADAWI

Rússia bombardeia posições do EI em Palmira e deixa 15 jihadistas mortos

Segundo Observatório, russos realizaram ao menos 30 bombardeios na cidade em conjunto com a aviação síria

O Estado de S. Paulo

06 Outubro 2015 | 08h28

DAMASCO - A aviação russa bombardeou pela primeira vez posições do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na cidade síria de Palmira e seus arredores, informou nesta terça-feira, 6, a rede de televisão estatal do país.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, os russos realizaram cerca de 30 bombardeios sobre Palmira na noite de segunda-feira, deixando ao menos 15 jihadistas mortos.

“Em conjunto com a aviação síria, a aviação russa atacou posições controladas pelo EI em Palmira e seus arredores”, informou a televisão síria, citando uma fonte militar. “Cerca de 20 veículos blindados foram destruídos, assim como 3 depósitos de munições e 3 lançadores de foguetes”, afirmou.

De acordo com o Observatório, entre os ataques realizados ontem pela aviação russa, quatro foram contra Raqqa, principal região do EI no noroeste da Síria, onde morreram quatro extremistas.

A Rússia entrou no conflito sírio no dia 30 de setembro em apoio ao regime de Bashar Assad, seu aliado, que havia perdido o controle de dois terços do país desde o começo da guerra, em março de 2011.

Dias contados. O diretor-geral de Antiguidades e Museus da Síria, Maamún Abdelkarim, alertou na segunda-feira que se o EI continuar com a destruição, o sítio arqueológico de Palmira pode desaparecer em três ou quatro meses.

“Isso não é uma batalha cultural ou política. Precisamos da ajuda da comunidade internacional”, destacou Abdelkarim.

Os extremistas destruíram ontem o Arco do Triunfo, que existia há aproximadamente 2.000 anos.

O diretor expressou preocupação com relação ao futuro da região, pois o EI “não está destruindo, movido poe sua ideologia, peças com um significado religioso, mas está atacando construções civis”. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.