AP Photo/Alexander Zemlianichenko
AP Photo/Alexander Zemlianichenko

Rússia busca mais influência em Cuba

Postura do presidente americano em relação à ilha e derrocada do principal aliado cubano, a Venezuela, abrem espaço para Moscou

Cláudia Trevisan, correspondente / Washington, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2017 | 20h00

WASHINGTON - Depois de uma interrupção de mais de duas décadas, a Rússia enviou no mês passado seu primeiro carregamento de petróleo a Cuba neste século, ocupando parte do vácuo deixado pela derrocada da Venezuela. O movimento de reaproximação dos antigos aliados da Guerra Fria poderá ganhar impulso adicional com a mudança de rumo da política dos EUA e a adoção de uma postura hostil a Havana pelo governo Donald Trump.

A ofensiva de Vladimir Putin para ampliar sua influência na ilha caribenha ganhou força em julho de 2014, cinco meses antes de o então presidente dos EUA, Barack Obama, anunciar a retomada de relações diplomáticas com o país. Em visita a Cuba, o líder russo anunciou o perdão de US$ 32 bilhões da dívida do país, o equivalente a 90% de passivos herdados do período soviético.

Nos meses seguintes, Moscou e Havana restabeleceram programas de cooperação militar e de treinamento de cubanos na Rússia, que iniciou investimentos em infraestrutura na ilha. No fim do ano passado, o Ministério de Defesa russo anunciou que estudava reabrir a base militar que possuía em Cuba até 2002.

Mas não estava claro se Havana tinha disposição de abraçar o projeto. “Não existe o mesmo nível de confiança no governo cubano em relação à Rússia que havia no período soviético”, observou Vladimir Rouvinski, professor da universidade colombiana Icesi, onde se dedica ao estudo das relações entre Moscou e a América Latina.

Segundo ele, os dois países não possuem a mesma afinidade ideológica que exibiam nas três décadas em que os soviéticos sustentaram o regime comunista de Fidel Castro. “Os cubanos não veem a Rússia como um modelo de desenvolvimento que possam adotar. Esse papel hoje é desempenhado pela China.”

Essa resistência pode ser reduzida pela crise na Venezuela e o congelamento da reaproximação com os EUA, avaliou Rouvinski. A estimativa de analistas é que o carregamento de petróleo enviado por Moscou à ilha tenha valor de US$ 150 milhões, cifra que Cuba não teria condições de pagar. Rouvinski vê a entrega como uma aposta estratégica de Moscou.

Hannah Thoburn, especialista em Rússia do Hudson Institute, acredita que o novo cenário poderá acelerar a gradual reaproximação entre Cuba e Rússia. “A instabilidade da política de Washington em relação à ilha abre uma oportunidade para Moscou se redefinir em Cuba diante dos EUA e desempenhar o papel de mocinho.” 

O interesse russo na ilha cresceu ainda mais com o aprofundamento da crise venezuelana, observou Thoburn. Caracas vende petróleo subsidiado a Havana e é a principal fonte de moeda estrangeira da ilha, graças à importação de serviços de médicos cubanos. “Não seria bom para Moscou ver dois de seus aliados na região fracassarem.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.