Rússia chama rebeldes sírios para negociar paz

Coalizão insurgente rejeita o convite e exige desculpas do governo russo em virtude da posição que o Kremlin tem mantido em relação ao conflito

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2012 | 02h04

A Rússia admitiu ontem que tenta dialogar com a Coalizão Nacional Síria, principal aliança dos rebeldes que lutam para destituir o ditador Bashar Assad. Criticada pelo Kremlin, a organização conta com o reconhecimento de países árabes e ocidentais como representante dos sírios. O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse que Moscou convidou o líder da entidade insurgente, Moaz al-Khatib, para um encontro, mas o sírio rejeitou a oferta.

"Expressamos nossa prontidão para conduzir uma reunião", declarou Lavrov. "Se não representamos o povo sírio (na opinião do governo russo), por que ele está nos convidando (para o diálogo)?", respondeu Khatib, em entrevista à emissora do Catar Al-Jazeera. "Dissemos claramente que não iremos a Moscou. Poderíamos nos encontrar em algum país árabe se houver uma agenda clara (de negociação)", completou o sírio.

Parceira tradicional da Síria, por três vezes a Rússia já vetou, juntamente com a China, resoluções do Conselho de Segurança da ONU com a intenção de pressionar o regime de Assad.

"Agora, queremos também um pedido de desculpas de Lavrov, pois durante todo esse tempo (que dura a crise síria) ele afirmou que o povo (sírio) decidirá seu destino, sem intervenção externa. A Rússia está intervindo (neste momento) e, enquanto isso, todos esses massacres do povo sírio ocorreram", disse. A oposição a Assad estima que 45 mil pessoas foram mortas desde o início do levante, em março de 2011.

A mudança de posição de Moscou ocorre após representantes do governo sírio terem ido à capital russa discutir o plano de paz proposto pelo enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Lakhdar Brahimi, e pode ser um sinal de que o Kremlin já não acredita em uma vitória de Assad. Hoje, Brahimi deve chegar à Rússia, após uma viagem a Damasco, onde se encontrou com o ditador.

Combate. Os rebeldes sírios anunciaram ontem ter avançado no cerco à base aérea de Mannagh, no norte do país, em meio a bombardeios de caças do regime. Funcionários do governo da Turquia afirmaram que dois generais da Força Aérea síria desertaram. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.