Rússia classifica bombardeio como 'provocação'

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia confirmou neste domingo que o país foi atingido por um bombardeio ucraniano, que deixou um morto e duas pessoas gravemente feridas. Um comunicado do ministério classificou o incidente como uma "provocação" e alertou para a possibilidade de "consequências irreversíveis" por causa do bombardeio.

Agência Estado

13 de julho de 2014 | 13h30

Segundo a Rússia, a bomba atingiu o pátio de um edifício residencial na

cidade de Donetsk, perto da fronteira com a cidade ucraniana de mesmo nome - na região leste da Ucrânia, dominada pela insurgência separatista pró Rússia.

Autoridades ucranianas negaram ter lançado qualquer bombardeio em direção ao território russo. Andriy Lysenko, um porta-voz de Segurança Nacional da Ucrânia e do Conselho de Defesa, teria dito que as forças ucranianas "não disparam sobre o território de países vizinhos nem em áreas residenciais". Em depoimento à agência de notícias Interfax Ukraine, Lysenko culpou os próprios rebeldes pró Rússia pelo ataque.

Na Donetsk ucraniana, onde os rebeldes se reuniram depois de uma grande ofensiva do governo ucraniano na semana passada, o domingo começou tranquilo. Mas cerca de 150 pessoas do assentamento de Marynka, nos arredores da cidade, procuravam abrigo em

dormitórios de uma universidade local, depois que suas casas foram bombardeadas durante a noite.

Após um ataque das milícias pró Rússia ter deixado ao menos 19 soldados mortos na sexta-feira de manhã, as autoridades ucranianas afirmaram ter matado um grande número de combatentes rebeldes, mas não houve nenhuma verificação independente dos fatos. Na noite de sexta-feira, o porta-voz do Ministério da Defesa Vladislav Seleznev disse em sua conta no Facebook que mil rebeldes foram mortos em dois

ataques aéreos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaUcrâniabombardeio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.