Rússia começa a enterrar seus mortos

Pelo menos 18 dos mais de 350 mortos no massacre da escola russa foram sepultados hoje, quase todos em cerimônias conforme o ritual cristão-ortodoxo, religião majoritária na Ossétia do Norte. Ainda há 260 desaparecidos e 428 feridos internados em hospitais. Ao som do choro de mães, que saíam de casa após casa, os primeiros cortejos fúnebres cortaram as ruas da cidade, enquanto pais ainda percorriam hospitais e necrotérios em busca de filhos desaparecidos. "Quando alguém vai ao cemitério para um enterro, é triste, mas nada é como isso: cavar túmulos para os próprios filhos", afirmou Anzor Kudziyev, de 25 anos, um coveiro voluntário que ajudou a preparar um terreno do tamanho de um campo de futebol, ao lado do cemitério, para receber os corpos. Num dos túmulos foi sepultada Alina Khubechova, que celebrara seus 11 anos no dia 31 - um dia antes de o comando terrorista reivindicando a retirada das tropas russas da Chechênia invadir a escola e tomar como reféns cerca de 1.200 pessoas, grande parte delas, crianças. Outra sepultura foi destinada às irmãs Alina, de 12 anos, e Ira, de 13. Seus pais levavam retratos das meninas de cabelos negros e pequenas estacas de madeira com seus nomes e datas de nascimento e morte. Esta última, 3 de setembro de 2004 - o dia em que tropas russas invadiram a escola depois de, alegadamente, terem ouvido uma explosão dentro do complexo. Um destacado pediatra russo que agia como mediador para tentar conseguir as libertação dos reféns, Leonid Roshal, reiterou hoje que a ação militar não foi uma operação premeditada de resgate, e sim uma reação "completamente espontânea" à explosão na escola. "Não sei se (os terroristas) brigaram entre eles ou se a explosão foi acidental, não sei", disse Roshal à TV russa, acrescentando que, após a detonação, quebraram-se os vidros da escola e crianças começaram a saltar pelas janelas. "Quando os soldados chegaram e começaram a retirar (as crianças), foram alvo de disparos."Leia mais ?Mostramos fraqueza e os povos fracos apanham?, diz Putin Mais de 300 corpos retirados de escola russa Putin fecha Ossétia do Norte para caçar terroristas 200 reféns e 27 terroristas mortos em escola russa Rússia diz que terror foi financiado pela Al-QaedaLíderes mundiais condenam terrorismo Termina o combate em escola russa Dez seqüestradores morreram, dizem autoridades russas?Eles tinham olhar de pessoas loucas?, diz refém Pelo menos 30 pessoas conseguem fugir da escola russa Seqüestro na Rússia é um dos mais trágicos da história recente

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.