Rússia condena teste americano

O teste, realizado pelos Estados Unidos, de um interceptador de mísseis ameaça toda a estrutura existente de tratados de desarmamento nuclear, afirmou um alto funcionário do Ministério de Relações Exteriores russo. O comentário, feito após a realização, com sucesso, do teste americano, representa o mais recente alerta do Kremlin à administração Bush, sobre essa questão.Um interceptador, disparado de uma ilha do Pacífico, destruiu seu alvo com sucesso, num teste da tecnologia ?hit-to-kill? (literalmente, ?atingir-para-matar?) que a atual administração dos EUA espera transformar em instrumento-chave de uma rede de defesa antimíssil.O porta-voz da chancelaria russa, Alexander Yakovenko, disse que o teste cria uma situação ?que ameaça todos os tratados internacionais no âmbito do desarmamento nuclear e da não-proliferação, que são baseados no tratado de Mísseis Antibalísticos de 1972?.A Rússia insiste, como ?posição de princípio?, na necessidade de ?preservar e consolidar? o tratado de 72. Moscou e outros signatários do ABM (como o tratado é conhecido, na sigla em inglês) afirmam que ele vem sendo, e deve continuar representando, a pedra angular da estabilidade estratégica mundial. O pacto foi baseado na idéia de que a proibição de sistemas nacionais de defesa antimíssil iria desencorajar ambos os lados da Guerra Fria a iniciar um ataque com armas atômicas, por medo de retaliação.O governo Bush quer convencer os russos a emendar ou substituir o AMB com um acordo que permita o teste e a utilização de defesas contra mísseis intercontinentais. Os EUA dizem que suas defesas funcionariam apenas contra ataques de pequena escala, do tipo que poderia ser lançado por países ?imprevisíveis e hostis?, e não com o tipo de bombardeio maciço que a Rússia é capaz de produzir. Mas russos, chineses e outras nações seguem oferecendo forte oposição à idéia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.