Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alexey Druzhinin/Sputnik/AFP
Alexey Druzhinin/Sputnik/AFP

Rússia ameaça bombardear navios britânicos que invadirem suas águas territoriais

Se isso ocorrer novamente, o Reino Unido será totalmente responsável pelas consequências, diz chancelaria russo sobre episódio

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2021 | 14h52

MOSCOU - O governo da Rússia convocou o embaixador do Reino Unido no país para protestar contra o incidente militar entre um navio de guerra britânico e caças russos no Mar Negro na quarta-feira, 23.  Segundo a chancelaria russa, as ações do navio britânico foram perigosas e provocativas e, caso se repitam, podem ser retaliadas por via política, diplomática e até militar. 

 “Se isso ocorrer novamente, o Reino Unido será totalmente responsável pelas consequências”, disse a chancelaria russa em nota, segundo a agência estatal RIA. Na quarta-feira, aviões de guerra russos dispararam contra o destróier HMS Defender, depois de a embarcação supostamente ter entrado em águas territoriais russas próximas à Crimeia, anexada da Ucrânia em 2014. O Reino Unido nega o relato russo.

Mais tarde, o vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov,  subiu o tom em relação à nota da chancelaria e prometeu proteger as fronteiras russas a qualquer custo.  “A inviolabilidade do território russo é imperativa e será defendida por todos os meios polítcos, diplomáticos e até mesmo militares”, disse o vice-chanceler.

“Apelaremos à razão e exigir respeito à lei internacional. Se isso não ajudar, podemos bombardear não só o trajeto (do navio) mas o próprio alvo se os colegas britânicos não entenderem outros meios. Nenhuma opção estará fora da mesa", concluiu.

Segundo o comunicado do Ministério da Defesa russo, citada pela agência Interfax, o HMS Defender cruzou a fronteira russa na manhã desta terça na área de Cape Fiolent, localizada ao sul da Crimeia: "O destroier foi avisado com antecedência que armas seriam disparadas em caso de violação da fronteira do Estado russo. Eles desobedeceram o alerta"./ AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.