Rússia critica retirada de Bustani da Opaq

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia criticou hoje a campanha liderada pelos Estados Unidos para afastar de seu cargo o diretor da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), o embaixador brasileiro José Maurício Bustani.Na segunda-feira passada, Bustani foi afastado da Opaq depois de uma votação em que 48 países optaram pela sua saída, enquanto apenas sete apoiaram o brasileiro. Os Estados Unidos, artífice da queda de Bustani, acusavam o brasileiro de ter levado a Opaq ao caos financeiro. Mas em Haia, ninguém escondia que o real motivo era a relutância de Bustani de aceitar ordens da Casa Branca."A Rússia é contra a substituição de Bustani e considera que ele fez um ótimo trabalho para solucionar questões de proibição e destruição de armas químicas", afirmou em um comunicado o porta-voz da chancelaria russa, Alexander Yakovenko. "Graças às ações de Bustani, a Opaq se transformou em um órgão internacional independente e um dos mais importantes mecanismos de controle de armas e desarmamento", disse Yakovenko.Bustani dirigia a organização desde que ela fora estabelecida em 1997, para inspecionar a destruição de estoques mundiais de armas químicas e os locais onde elas são produzidas. Em maio 2000, tanto a Rússia como os Estados Unidos apoiaram a reeleição de Bustani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.