Rússia critica sanções da União Europeia contra o regime sírio

Medidas incluem a proibição da compra, importação ou transporte desde a Síria de petróleo e derivados

Efe,

03 Setembro 2011 | 06h20

DUCHAMBE - O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, reafirmou neste sábado, 3, a postura de seu país contra a imposição de sanções unilaterais, ao criticar o embargo decretado pela União Europeia (UE) sobre as importações de petróleo procedente da Síria.

"Sempre dissemos que as sanções unilaterais não levam a lugar algum. Isto destrói o enfoque de parceiros perante qualquer crise", disse à imprensa o chefe da diplomacia russa ao responder a uma pergunta sobre o embargo europeu, que entrou em vigor hoje.

As sanções "poucas vezes resolvem algo", ressaltou Lavrov, que deu estas declarações em Duchambe, capital do Tadjiquistão, onde participa de uma cúpula da pós-soviética Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

Desde o começo da crise na Síria, a Rússia, assim como a China, se opôs de maneira terminante a qualquer tipo de sanções contra o regime de Bashar al Assad.

As sanções da UE incluem a proibição da compra, importação ou transporte desde a Síria de petróleo e derivados, assim como a imobilização de capitais e recursos econômicos de pessoas e entidades que se beneficiem do regime ou que lhes emprestem apoio.

Mais conteúdo sobre:
Síria União Europeia sanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.