Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Rússia culpa Ucrânia por violência e pede que Ocidente não apoie Kiev

Moscou nega envio de armas e tropas para ajudar os rebeldes e diz que separatistas respondem a ataques de forças ucranianas

O Estado de S. Paulo

26 de janeiro de 2015 | 10h46


MOSCOU - A Rússia culpou o governo ucraniano, nesta segunda-feira, 26, pelo aumento da violência no sudeste da Ucrânia, e pediu ao Ocidente que não demonstre seu apoio a Kiev com ações como a imposição de novas sanções contra Moscou.

Separatistas pró-Moscou, apoiados pelo que a Organização do Tratado Atlântico Norte (Otan) diz ser uma participação aberta de tropas russas, lançaram uma ofensiva no leste e sudeste da Ucrânia, e Kiev disse no sábado que 30 civis foram mortos nos bombardeios à cidade de Mariupol.

A Rússia nega o envio de armas e tropas para ajudar os rebeldes, e o ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, disse que os separatistas estão respondendo a ataques das forças ucranianas.

"Nós vemos tentativas de descarrilar o processo de paz e tentativas mais uma e outra vez da liderança de Kiev de resolver o problema pelo uso da força para sufocar o sudeste. Essas tentativas não levam a lugar algum", disse Lavrov.

"Esperamos que nossos parceiros ocidentais... não façam nada que dê às autoridades de Kiev a impressão de que suas ações automaticamente vão receber apoio no Ocidente."

O chanceler russo pediu ao Ocidente que não amplie a campanha anti-Rússia, e disse que seria ingênuo acreditar que os separatistas aceitariam ser atacados pelas forças do governo sem responder.

Segundo Lavrov, os rebeldes começaram ações para "eliminar as posições de onde as Forças Armadas ucranianas têm bombardeado com armas pesadas áreas povoadas". / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaUcrâniaSerguei Lavrov

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.