AP
AP

Rússia decidirá o que fará na Ucrânia após referendo na Crimeia

Kerry diz que não reconhecerá resultado da votação marcada para o domingo em região pró-russa

O Estado de S. Paulo,

14 de março de 2014 | 15h45

LONDRES - O secretário de Estado americano, John Kerry, disse nesta sexta-feira, 14, após reunir-se com o chanceler russo, Sergei Lavrov, que o Kremlin só deve decidir que rumo tomará sobre a crise na Ucrânia depois de o referendo sobre a adesão da Crimeia à Rússia, marcado para o domingo. Kerry ainda reafirmou que Washington não reconhecerá o resultado da votação e criticou a série de manobras militares russas na região.

Veja também:
link Direto da Crimeia: Ucrânia aponta risco de invasão russa 
link Cenário: Crimeia, a dias de mudar de dono 
link Cronologia: os protestos na Ucrânia 
link Infográfico: Raízes do conflito 
link Visão Global: De volta ao século 19 

"Uma vez que ocorra o referendo, o presidente Putin tomará a decisão sobre os passos seguintes", disse Kerry a jornalistas depois de seis horas de negociações "diretas e francas" com o chanceler russo, Sergei Lavro, em Londres. Foram apresentadas a Lavrov diversas ideias sobre como respeitar a soberania territorial da Ucrânia e os interesses russos ao mesmo tempo. O chanceler russo respondeu que o presidente Vladimir Putin só tomaria uma decisão após a votação.

Ainda de acordo com Kerry, o resultado da votação não terá validade para os países ocidentais, que respaldam o governo interino de Kiev, formado após a deposição de Viktor Yanukovich. "A comunidade internacional não reconhecerá o resultado do referendo", afirmou.

Ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Putin defendeu a legitimidade do referendo. "Putin ressaltou que a decisão sobre a realização (da consulta) corresponde às normas do Direito internacional e aos Estatutos da ONU", informou hoje a assessoria de imprensa do Kremlin em comunicado.

O presidente russo já havia mantido a mesma postura em outras conversas telefônicas com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron. / REUTERS, AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.