Scott Howe/Departamento de Defesa dos EUA via AP
Scott Howe/Departamento de Defesa dos EUA via AP

Rússia denuncia ‘escalada de tensões militares’ após teste de mísseis dos EUA

Este foi o primeiro evento do gênero desde a Guerra Fria, uma resposta ao fim do Tratado de Armas Nucleares de Alcance Intermediário entre os dois países

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2019 | 05h07

MOSCOU - A Rússia classificou nesta terça-feira, 20, como "escalada de tensões militares" o lançamento de mísseis de médio alcance anunciado pelo Estados Unidos na última segunda, 19. Foi o primeiro evento do gênero desde a Guerra Fria, uma resposta ao fim do Tratado de Armas Nucleares de Alcance Intermediário (INF, sigla em inglês).

"Lamentamos tudo isso. Os EUA tomam descaradamente o caminho da escalada das tensões militares, mas não cedemos à provocação", disse o vice-chanceler russo Sergey Riabkov, citado por agências russas.

Segundo Riabkov, o "prazo extremamente apertado" que os EUA precisavam para realizar o teste após o fim do INF mostra que Washington já estava preparado para o término do acordo firmado entre os dois países.

"Em tão pouco tempo, é quase impossível realizar esses testes, a menos que tenha sido preparado com", disse Riabkov.

INF

Após seis meses de diálogo, a Rússia e os Estados Unidos selaram, no início de agosto, o fim do INF. Assinado em 1987 pelos ex-presidentes dos EUA e da RússiaRonald Reagan e Mikhail Gorbatchov, o texto proíbe o uso de mísseis de médio alcance (de 500 km a 5.000 km), tanto convencionais quanto nucleares.

Washington justificou sua decisão alegando que Moscou violava o tratado. A saída americana abre caminho para uma nova corrida armamentista dirigida contra a Rússia e, sobretudo, contra a China.

O presidente russo, Vladimir Putin, culpou os EUA pelo fim do tratado. "Não foi a Rússia que se retirou de forma unilateral", declarou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.