Rússia deporta 180 georgianos, aumentando a crise entre os dois países

A Rússia deportou 180 georgianos em mais um episódio da crise diplomática entre os dois países, iniciada recentemente com a prisão de quatro russos na Geórgia, acusados de espionagem.Um avião com aproximadamente 180 georgianos aterrissou na capital Tbilisi nesta sexta-feira. A informação é da agência de notícias BBC. As deportações fazem parte de uma série de medidas tomadas pela Rússia nos últimos dias. Outra medida recente foi a solicitação da polícia de Moscou às escolas da cidade que forneçam listas contendo nomes de alunos cujos sobrenomes sejam de origem georgiana. A medida teria como objetivo encontrar imigrantes ilegaisA oposição russa acusa o governo de criar uma campanha de discriminação contra imigrantes.Em declaração, o ex-premiê Mikhail Kasyanov, ex-aliado do presidente Vladimir Putin, disse que os passos direcionam para uma "histeria chauvinista indecente", segundo informou a rádio Ekho Moskvy. Retorno Os georgianos na Rússia foram abordados por policiais nos últimos dias e acusados de imigração ilegal, de acordo com relatos da imprensa.O correspondente da BBC na Geórgia, Matthew Collin, que estava no aeroporto, disse que os georgianos deportados desceram do avião de carga russo carregando os bens que conseguiram carregar. Poucos pareciam felizes com o retorno, apesar de Umma mulher ter se ajoelhado e beijado o chão.Alguns afirmaram ter sentido que foram deportados por serem georgianos, não imigrantes ilegais, segundo o correspondente.Enquanto isso um avião russo levou mais russos para fora de Geórgia. Moscou alega que o país é inseguro agora para os seus cidadãos. Na semana passada, aproximadamente 100 funcionários do governo russo e suas famílias receberam ordens de Moscou para que retornassem à Rússia.Estimativas variam, mas acredita-se que ao menos um milhão de georgianos vivam na Rússia. Muitas famílias na Geórgia dependem do dinheiro que os imigrantes enviam para casa. "Listas das escolas"A polícia de Moscou pediu às escolas da cidade que forneçam listas contendo nomes de alunos cujos sobrenomes sejam de origem georgiana. A medida tem como objetivo encontrar imigrantes ilegais, alegou um funcionário da prefeitura moscovita nesta sexta-feira.Entretanto, um alto oficial da polícia de Moscou negou a acusação, feita por Alexander Gavrilov, porta-voz da Secretaria de Educação de Moscou. Segundo ele, diversas escolas foram notificadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.