(AP Photo/Alexander Zemlianichenko)
(AP Photo/Alexander Zemlianichenko)

Rússia descarta confinamento, apesar do quarto dia consecutivo com recorde de mortes por covid-19

Mesmo com registros negativos, as autoridades do país mantiveram a organização de eventos de massas, como é o caso do Eurocopa em São Petersburgo

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2021 | 12h00

MOSCOU - O governo russo excluiu nesta sexta-feira, 2, a possibilidade de decretar o confinamento da população para conter o avanço da covid-19 no país, que registrou 679 mortes pela doença nas últimas 24 horas.

Esse é o quarto dia seguido com recorde de óbitos no país, que está seriamente afetado pela variante Delta

De acordo com dados governamentais, a Rússia registou 23.218 novos casos num dia, o número mais elevado desde meados de janeiro.

Apesar disso, o Kremlin descartou por enquanto a ideia de confinamento.

"Ninguém quer o confinamento" e a ideia de o aplicar "não foi discutida. Para que isto não aconteça, devemos todos ser vacinados o mais rapidamente possível", disse à imprensa o porta-voz presidencial russo, Dmitry Peskov.

O aumento das infecções já levou o presidente russo, Vladimir Putin, a instar os cidadãos a serem vacinados num discurso televisivo na última quarta-feira. No entanto, a autoridade máxima do país disse ser contra a vacinação obrigatória.

Apesar dos registros negativos, as autoridades russas mantiveram a organização de eventos de massas, como é o caso do Eurocopa em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país, onde uma partida das quartas de final, entre Espanha e Suíça, será disputada nesta sexta-feira.

São Petersburgo registrou 101 mortes em decorrência do novo coronavírus nas últimas 24h, um pouco menos do que o número recorde de 119 mortes por dia registrado esta semana.

O prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, disse que a variante Delta, que surgiu pela primeira vez na Índia, é responsável por 90% dos novos casos na capital russa. A cidade, que é o principal foco da doença, registrou 112 mortes nas últimas 24 horas.

No país como um todo, a pandemia infectou mais de 5,5 milhões de pessoas e vitimou outras 136.565 desde o seu início, de acordo com números oficiais.

A agência de estatística Rosstat, que tem uma definição mais ampla de mortes causadas pelo coronavírus, contabilizou 270.000 mortes no final de abril./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.