Sergei Ilnitsky/Efe
Sergei Ilnitsky/Efe

Rússia diz não querer tomar outros territórios ucranianos

Otan afirma que Moscou deve retirar suas tropas da fronteira com a Ucrânia

O Estado de S. Paulo,

11 de abril de 2014 | 12h09

MOSCOU - O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, disse nesta sexta-feira, 11, que o país não quer tomar mais territórios ucranianos, mas repetiu o pedido a Kiev de conceder mais autonomia às autoridades regionais, informou a agência de notícias RIA.

Países ocidentais acusam a Rússia de colocar 40 mil tropas perto da fronteira com a Ucrânia e estão preocupados com a possibilidade de Moscou enviar forças para o leste do país após ter anexado a Crimeia, no mês passado.

"Não podemos ter esse desejo. Ele contradiz os interesses centrais da Federação Russa. Queremos que a Ucrânia seja inteira dentro de suas fronteiras atuais, mas inteira com todo o respeito pelas regiões", disse Lavrov, segundo a agência.

A Rússia nega qualquer aumento substancial de tropas na fronteira com a Ucrânia, mas diz que tem o direito de proteger os cidadãos de língua russa que são maioria em algumas regiões do leste ucraniano.

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e os EUA acusam a Rússia de instigar tumultos separatistas em cidades como Donetsk e Luhansk, onde manifestantes pró-Moscou invadiram edifícios da administração pública e exigiram mais autonomia de Kiev.

Mais cedo, o secretário-geral da Otan, general Anders Fogh Rasmussen, exortou a Rússia a fazer suas tropas recuarem da fronteira com a Ucrânia e começar um diálogo respeitando a soberania ucraniana. Rasmussen afirmou que as tentativas da Rússia de desenhar novas linhas divisórias na Europa usando a força, de limitar a soberania da Ucrânia e de recriar uma nova esfera de influência sobre outros países são contrárias ao direito internacional./ AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Crise na UcrâniaRússiaOtanEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.