Rússia diz que deixará Geórgia após UE enviar monitores

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, disse que o Exército de seu país deixará o território georgiano depois que a União Européia (UE) enviar, no mês que vem, monitores para observar as fronteiras das regiões separatistas da Ossétia do Sul e da Abkházia.Medvedev afirmou ainda que as negociações internacionais sobre o conflito na Geórgia terão início em 15 de outubro em Genebra. As declarações do presidente russo foram feita durante entrevista coletiva concedida depois de um encontro dele com o presidente da França, Nicolas Sarkozy.O líder russo assegurou que a Rússia está cumprindo os termos do cessar-fogo negociado pela União Européia (UE) no mês passado. A França ocupa atualmente a presidência de turno da UE. Medvedev disse ainda que os soldados russos deixarão os arredores da cidade portuária de Poti, na costa do Mar Negro, no decorrer dos próximos sete dias, mas somente se a Geórgia comprometer-se por escrito a não usar a força contra a Abkházia.O conflito armado entre Rússia e Geórgia começou em 8 de agosto, um dia depois de forças georgianas terem invadido a região separatista da Ossétia do Sul numa tentativa de recapturá-la.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.