AP Photo/Kathy Willens
AP Photo/Kathy Willens

Rússia diz que desconhece reunião de advogada com filho de Trump

De acordo com o NYT, Trump Jr. Se reuniu com Natalia Veselnitskaya - que teria conexões com o Kremlin - esperando obter informações comprometedoras de Hillary Clinton; Moscou afirma 'não ter ciência de reuniões de advogados no país ou no exterior'

O Estado de S.Paulo

10 Julho 2017 | 09h49

MOSCOU - O governo russo afirmou nesta segunda-feira, 10, não ter conhecimento do encontro em 2016 de membros da campanha presidencial de Donald Trump com uma advogada russa que alegava ter informações comprometedoras sobre a campanha de Hillary Clinton, adversária do republicano na corrida à Casa Branca.

"Não sabemos quem é (a advogada). E, além do mais, não podemos estar cientes de reuniões realizadas por todos os advogados russos dentro e fora do país", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

De acordo com o jornal americano The New York Times, Donald Trump Jr. e o genro do presidente americano, Jared Kushner, se reuniram com Natalia Veselnitskaya - que teria conexões com o Kremlin - na Trump Tower de Nova York em 9 de junho de 2016, pouco após o atual presidente ser nomeado o candidato republicano à presidência.

Segundo o NYT, tratou-se da primeira reunião privada entre pessoas próximas ao presidente com um cidadão russo, além de ser a primeira vez que o primogênito de Trump é citado em uma reunião deste tipo.

As fontes citadas pelo jornal afirmaram que Trump Jr. tinha expectativas de obter essas informações comprometedoras sobre Hillary, mas não confirmaram se a advogada as forneceu efetivamente.

Em um comunicado divulgado na noite de domingo, Trump Jr. indicou que a advogada dizia ter dados, que não pôs sobre a mesa, sobre o suposto financiamento do Comitê Democrata Nacional por parte de "indivíduos ligados à Rússia" que também apoiavam a democrata. 

"Suas declarações eram vagas, ambíguas e não tinham sentido. Não proporcionou detalhes ou informações que o provassem. Logo ficou claro que não tinha informação significativa", apontou.

O mesmo encontro tinha sido descrito em outro comunicado no sábado como "uma breve reunião introdutória", sem fazer menção a Hillary Clinton, que se centrou em uma conversa sobre as adoções de crianças russas nos EUA. / EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.