Rússia diz que escudo dos EUA é ameaça à sua segurança

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, chamou nesta sexta-feira, 23, de "ameaça real" à segurança do país os planos dos Estados Unidos de postar na Europa elementos de seu escudo antimísseis."Que sentido tem tanta discussão no Conselho de Segurança da ONU, se o pretexto da ameaça iraniana serve para postar perto de nossas fronteiras elementos do escudo antimísseis dos EUA?", disse Lavrov ao jornal Moskovskie Novosti.Lavrov criticou o fato de que os países ocidentais peçam a adesão da Rússia "à luta contra ameaças hipotéticas" e, ao mesmo tempo, "criem ameaças reais à segurança russa".O chefe da diplomacia russa se manifestou contra os "jogos estratégicos na Europa". Ele negou que haja "argumentos objetivos para uma nova Guerra Fria", acrescentando que para a Rússia "é importante ver coerência e lógica na atuação de seus parceiros".Na opinião de Lavrov, existe uma alternativa ao escudo antimísseis americano: um sistema coletivo de defesa que leve em conta os interesses tanto da Rússia quanto da Otan."A variante coletiva solucionaria todos os problemas. Já os planos unilaterais dos EUA afetarão diretamente nossas relações com a Otan", alertou.Os EUA planejam instalar uma estação de radar na República Tcheca e uma base de mísseis balísticos de interceptação na Polônia. Eles seriam os primeiros componentes na Europa do Sistema Nacional de Defesa Antimísseis (NMD).Segundo o Pentágono, o sistema está destinado a defender os territórios dos EUA e de seus aliados contra possíveis ataques com mísseis balísticos de países como o Irã e a Coréia do Norte, ou mesmo de organizações terroristas.A Rússia considera os planos uma "ameaça direta" à sua segurança e já ameaçou abandonar o tratado bilateral de 1987 que congelou os foguetes de médio e curto alcance. Além disso, admitiu a possibilidade de apontar seus próprios mísseis contra a Polônia e a República Tcheca.A opinião russa é de que uma estação de radar em território tcheco permitiria aos EUA controlar as bases de mísseis estratégicos na parte européia da Rússia e os submarinos nucleares da Frota do Norte. Os mísseis em solo polonês poderiam abater foguetes russos durante seu lançamento.Como ato de boa vontade, o chefe da Agência de Defesa contra Mísseis dos EUA, Henry Obering, convidou a Rússia a visitar as futuras instalações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.